Guedes diz que reforma da Previdência terá proposta com modelo de capitalização

Guedes diz que reforma da Previdência terá proposta com modelo de capitalização

O governo deve enviar ao Congresso em fevereiro uma proposta de reforma da Previdência mais robusta, com alterações sobre o atual regime das aposentadorias, mas também com a criação de um novo modelo capitalização para os trabalhadores que ainda entrarão no mercado de trabalho. Após quase 2h30 de reunião, os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Economia, Paulo Guedes, sinalizaram que a visão da equipe econômica de uma reforma mais duradoura deve prevalecer na versão que será apresentada ao presidente Jair Bolsonaro na próxima semana.

Bolsonaro ainda vai bater o martelo sobre o desenho final, e a equipe econômica ainda terá de convencê-lo de que o Congresso Nacional é capaz de digerir a proposta de uma reforma mais dura e de longo prazo. Na semana passada, o presidente havia acenado com uma proposta mais “light”, apenas para seu mandato, o que gerou apreensão entre economistas, uma vez que não representaria uma solução definitiva para o grave desequilíbrio nas contas públicas.

“O nosso objetivo é que não seja necessário falar sobre reforma da Previdência pelos próximos 20 anos”, disse Onyx ao deixar o Ministério da Economia. Já Paulo Guedes chegou a falar em um novo regime trabalhista e previdenciário. Os ministros, no entanto, não entraram em detalhes sobre as regras para idade mínima e para o período de transição para quem já está mais próximo de se aposentar. Questionado se a regra de transição será mais dura que a proposta do governo de Michel Temer, o ministro disse apenas que terá a “mesma profundidade”.

“Estamos fazendo simulações sobre a idade mínima e simulando a regra de transição”, respondeu. “É mais difícil, mas estamos tentando salvar o regime de Previdência que está aí e criar um novo regime para as novas gerações”, acrescentou.

Guedes afirmou ainda que a criação do regime de capitalização constará no mesmo texto que será enviado em fevereiro. Segundo ele, não haverá “fatiamento” no sentido de encaminhar mais de uma proposição ao Congresso Nacional – o que aumentaria o custo político de negociar várias votações com os parlamentares. O ministro Onyx também disse que tudo será tratado “no mesmo texto”.

Como mostrou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, é possível incluir a criação do regime de capitalização na proposta já em tramitação no Congresso porque existem emendas à reforma de Temer que podem ser aproveitadas, o que pouparia tempo de tramitação. Segundo Onyx, a ideia é propor uma reforma que tenha “bom trânsito” junto ao Parlamento.

Os ministros consideraram produtivas as reuniões técnicas realizadas ao longo do dia e afirmaram que pretendem levar a proposta de reforma para o aval de Bolsonaro na próxima semana. “A proposta de reforma só será conhecida após o término das simulações do ministro Guedes e só será revelada após a aprovação do presidente”, enfatizou Onyx. “Pedimos paciência, vamos falar mais sobre a proposta na próxima semana”, completou.

Compartilhe
Previous Promoção de filho faz vice se explicar a Bolsonaro
Next Mega-Sena pode pagar hoje prêmio de R$ 8 milhões

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Alagoinhas: “Tenho certeza que fará um belo trabalho”, diz Alex Lima sobre novo coordenador da Ciretran

Presente na solenidade de posse do novo Coordenador da 2ª Ciretran de Alagoinhas, Victor Carlos Vergasta, o deputado estadual Alex Lima (Podemos) elogiou o currículo do novo coordenador e destacou

Política

Galo condena ação contra Wagner: “pirotecnia para beneficiar aliados do golpe na Bahia”

O deputado estadual Marcelino Galo (PT) condenou a operação da Polícia Federal, nesta segunda-feira (26), contra o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, o ex-governador Jaques Wagner. Batizada de “Cartão

Cotidiano

Fiscais da Semop são agredidos por ambulantes na Av. Sete

Durante operação rotineira de fiscalização nesta quinta-feira (7), na Avenida Sete, fiscais da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) foram coagidos e um agredido por ambulantes irregulares. Na ação, um