Carletto apresenta Projeto de Lei para proteger denunciantes anônimos

Carletto apresenta Projeto de Lei para proteger denunciantes anônimos

O deputado federal Ronaldo Carletto (PP) apresentou um Projeto de Lei, na Câmara dos Deputados, que dispõe sobre a proteção de denunciantes anônimos, alterando a Lei nº 13.608, de 10 de janeiro de 2018, especialmente o Art. 3º, que estabelece apenas que caso o informante se identifique terá assegurado, pelo órgão que receber a denúncia, o sigilo dos seus dados.

“Embora as denúncias anônimas não se prestem às instaurações de inquéritos policiais e medidas constritivas, não há dúvidas sobre o seu valor para desencadear investigações preliminares. O projeto, inclusive, vai ao encontro do discurso proferido pelo novo Ministro da Justiça, o juiz Sérgio Moro, que em sua última entrevista concedida ao Fantástico alegou a importância de ter uma legislação que protegesse os denunciantes anônimos”, relatou o deputado.

Segundo o parlamentar, este projeto também faz uma ponte com a Lei nº 9.807, de 13 de julho de 1999, que estabelece normas para organização e manutenção de proteção a vítimas e a testemunhas ameaçadas, institui o Programa Federal de Assistência a Vítimas e a Testemunhas Ameaçadas e dispõe sobre a proteção de acusados ou condenados que tenham voluntariamente prestado efetiva colaboração à investigação policial e ao processo criminal.

Compartilhe
Previous Palco do Festival Virada Salvador 2019 começa a ser montado
Next Natal de Salvador conta com realidade aumentada na programação da Prefeitura

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Decreto do indulto humanitário é publicado no Diário Oficial

O decreto de indulto humanitário para conceder liberdade a presos portadores de doenças graves e em estado terminal está publicado no Diário Oficial da União, na seção 1, página 4. O

Política

Candidaturas indígenas crescem 59%, mas são apenas 0,46% do total

O número de candidatos autodeclarados indígenas aumentou 59% nas eleições deste ano, passando de 81 para 129, na comparação com o pleito de 2014. Esse número corresponde a apenas 0,46%

Política

Mendes determina rito de urgência em ação da OAB contra condução coercitiva

Sorteado como relator da ação na qual a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pede a proibição do uso da condução coercitiva em fase de investigação, o ministro Gilmar Mendes,