Fifa aprova escolha de Madri para final da Libertadores

Fifa aprova escolha de Madri para final da Libertadores

A Fifa aprovou a decisão de se disputar em Madri a final da Copa Libertadores, entre as equipes argentinas River Plate e Boca Juniors. A afirmação foi feita pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino, em entrevista coletiva na Cúpula do G20, da qual participa como convidado.

“Foi um momento muito triste”, disse Infantino sobre a suspensão do jogo de volta, que seria disputada no Estádio Monumental de Nuñez, na semana passada. O jogo de ida foi na Bombonera e terminou empatado em 2 a 2.

“Não é uma guerra; gera muita emoção, mas não deixa de ser um jogo”, acrescentou o presidente da Fifa, que está na Argentina desde o adiamento da partida.

Infantino disse ainda que os incidentes que ocorreram previamente à suspensão do jogo decisivo “têm que marcar um antes e um depois” para as pessoas ligadas ao futebol.

No dia 24 de novembro, pouco antes da partida, o ônihus que levava os jogadores do Boca Juniors ao Monumental foi atacado a pedradas por torcedores adversários. No dia seguinte, a direção do Boca pediu o adiamento da final, alegando a gravidade e magnitude dos atos de violência, as consequências destes sobre a equipe e a falta de segurança para realização da partida.

Compartilhe
Previous Bolsonaro, sobre Previdência: 'Não podemos salvar o Brasil matando idoso'
Next Bolsonaro diz que desconhece inquérito sobre Paulo Guedes

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Mesmo enfraquecido, Harvey deixa 6 mortos em passagem por Houston

O furacão Harvey, que se enfraqueceu e já se transformou em tempestade tropical, deixou pelo menos cinco mortos e dezenas de feridos ao passar pela cidade de Houston, no Texas,

Mundo

Menino de 3 anos morre após ficar preso em máquina de lavar

Uma tragédia chocou a cidade Slupsk, na Polônia. Um menino de 3 anos morreu após ficar preso dentro de uma máquina de lavar roupas enquanto brincava de pique-esconde em casa

Mundo

Vice-presidente da Venezuela diz que não cederá ameaça da UE

A vice-presidente venezuelana, Delcy Rodríguez, afirmou que não cederá a nenhuma “ameaça” ou “extorsão”, após ser sancionada nesta segunda-feira pela União Europeia (UE). “Nenhuma ameaça, extorsão, medida arbitrária nem chantagem