Suspensa final da Libertadores entre Boca e River

Picture released by Telam showing fans greeting Boca Juniors players as their bus leaves their hotel on the way to the Monumental stadium in Buenos Aires, on November 24, 2018 to play the second leg match of the all-Argentine Copa Libertadores final against River Plate, before it was attacked y River fans. - The attack left Boca players coughing and teary eyed amid the glass of smashed windows ahead of the Argentine giants' "superclasico" Copa Libertadores final, which authorities are deciding if it is played or not. (Photo by José ROMERO / TELAM / AFP) / Argentina OUT / RESTRICTED TO EDITORIAL USE - MANDATORY CREDIT "AFP PHOTO / TELAM / JOSE ROMERO" - NO MARKETING NO ADVERTISING CAMPAIGNS - DISTRIBUTED AS A SERVICE TO CLIENTS

A final da Taça Libertadores, em Buenos Aires, na Argentina, foi suspensa na tarde de hoje (25). Após o ataque a jogadores do Boca Juniors, o clube pediu à Conmebol para suspender a disputa marcada para as 18h (horário de Brasília). Em comunicado, o Boca diz que falta igualdade entre os clubes. Também solicitou punição ao River Plate, uma vez que torcedores do time atacaram o ônibus onde estavam os atletas.

“Após a violência sofrida perto do estádio, tendo encontrado a magnitude e gravidade deles e as conseqüências que geraram no campo, o Boca considera que essas condições não são dadas, e solicita a suspensão do partido e a aplicação das sanções correspondentes previstas no Artigo 18, de modo que a Conmebol atue de acordo”, informa o comunicado.

Segundo o Boca, que comunicou sua postura no site oficial e nas redes sociais, foi feito um acordo para que houvesse igualdade de condições na final. De acordo com o clube, sem igualdade, não há disputa.

O comunicado pede a punição ao adversário, segundo o Artigo 18 da Conmebol, que trata sobre punições a clubes, podendo inclusive tirar os pontos de uma partida.

Porém, de acordo com a imprensa argentina o estádio Monumental de Buenos Aires está pronto e à espera do jogo para o final da tarde.

Violência

Ontem (24), logo na chegada ao Monumental de Nuñez, onde estava marcada a disputa, o ônibus do Boca foi atacado com pedradas e bombas de gás por torcedores rivais do River Plate.

Alguns jogadores, como Pablo Pérez ficaram feridos e foram atendidos fora do estádio. Carlos Tévez disse que os atletas não esperavam aquela reação.

Em seguida, houve uma reunião entre os dirigentes do River e Boca, em que decidiram que o jogo deveria ser adiado. Segundo eles, os atletas não queriam jogar.

 *Com informações de Monica Yanakiew, de Buenos Aires

Compartilhe