Tribunal de Justiça derruba liminar e volta a afastar prefeito da cidade de Jaguarari do cargo

Tribunal de Justiça derruba liminar e volta a afastar prefeito da cidade de Jaguarari do cargo

Uma decisão da Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) voltou a decretar o afastamento de Everton Rocha (PSDB) do cargo de prefeito de Jaguarari. O órgão colegiado derrubou na última quinta-feira (1º) uma liminar que havia anulado um processo de cassação contra o gestor. Everton foi alvo de três processos de cassação este ano na Câmara de Vereadores de Jaguarari. Um deles questionava o atraso da entrega da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2017. Outro o acusava de fraude em licitação na compra de um software [programa de computador]. Já o terceiro tratava de um suposto pagamento indevido de transporte. Na Justiça, o prefeito conseguiu liminares que anularam os três processos e voltou à prefeitura. Esta semana, na sua volta à gestão municipal, ele chegou a publicar decreto suspendendo o atendimento público. No entanto, a decisão do TJ-BA da última quinta derruba uma dessas liminares, provocando um novo afastamento.

Compartilhe
Previous Itabuna: Vereadores organizam caminhada que caminhada pedirá cassação do prefeito
Next Segundo Sol: veja resumo do capítulo desta quarta (7/11)

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Justiça revoga prisão do ex-delegado Protógenes de Queiroz

O Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF3) revogou, por 2 votos a 1, a ordem de prisão contra o ex-deputado federal (PCdoB/SP) e ex-delegado da Polícia Federal Protógenes de

Municípios

Moto Caxixi movimenta Nazaré das Farinhas neste fim de semana

Começa nesta sexta-feira (21)e vai até domingo (23), o Moto Caxixi, na cidade de Nazaré das Farinhas, no recôncavo baiano. Serão centenas de motociclistas de todo Brasil e diversas atrações

Política

Volta de Bolsonaro a Brasília faz ministros adiarem viagem de trabalho

A antecipação da alta hospitalar do presidente Jair Bolsonaro, que o trará de volta a Brasília nesta quarta-feira (13/2), levou o ministro-chefe da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, a adiar a viagem