Itabuna: Sem novas propostas, professores permanecem em greve

Itabuna: Sem novas propostas, professores permanecem em greve

A greve da rede municipal de ensino de Itabuna já ultrapassa o segundo mês e a falta de qualquer sinalização de proposta de reajuste salarial por parte do prefeito Fernando Gomes fez com que os professores decidissem, nesta terça-feira (6), em assembleia, pela manutenção do movimento grevista. Além da luta pelo reajuste salarial de 6,81%, a classe exige o pagamento imediato do salário dos professores em situação de desvio de função.

A assembleia contou com participação expressiva da categoria, que está inconformada com a postura do prefeito, que afirmou à imprensa local e à Diretoria do Sindicato que o décimo terceiro salário somente seria pago no mês de novembro caso a greve fosse extinta.

De acordo com a presidente do Sindicato do Magistério (SIMPI), Carminha Oliveira, essa postura em relação ao pagamento do décimo terceiro é descabida, já que a legislação garante o pagamento da gratificação natalina nos meses de novembro e dezembro ou no mês de aniversário do professor. A greve completa 65 dias e cerca de 18 mil alunos continuam sem aula na rede.

Compartilhe
Previous Reduto democrata, Nova York tem eleitores unidos contra Trump
Next Santa Inês: Corpo de jovem morto em acidente na BR-420 é sepultado sob forte comoção

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Mundo

Venezuela pede que Brasil proteja os seus cidadãos

O Ministério do Poder Popular para as Relações Exteriores da Venezuela informou hoje (19), em nota, ter tomado conhecimento de casos de violência envolvendo cidadãos brasileiros e venezuelanos ocorridos nos

Mundo

Sauli Niinistö é reeleito presidente da Finlândia no primeiro turno

O atual presidente da Finlândia, o conservador Sauli Niinistö, foi reeleito hoje (28) para um segundo mandato de seis anos ao obter uma histórica vitória no primeiro turno das eleições

Notícias

Lula pede a Moro que suspenda interrogatório de setembro

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva requereu nesta quinta-feira, ao juiz Sérgio Moro, da Operação Lava-Jato, suspensão do novo interrogatório do ex-presidente, marcado para 13 de setembro.