Inquéritos contra Cunha Lima e Pimenta vão para primeira instância

Inquéritos contra Cunha Lima e Pimenta vão para primeira instância

Por quatro votos a um, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou agravos regimentais e determinou a remessa para as instâncias ordinárias dos inquéritos 3404 e 3499, instaurados contra o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), respectivamente. São informações do portal do STF.

Nos dois casos, prevaleceu o voto dos relatores, ministra Rosa Weber e ministro Luiz Fux, que, com base na jurisprudência do Tribunal, entenderam que o arquivamento dos inquéritos seria inviável nesta fase processual, pois ainda há diligências pendentes.

Os agravos foram interpostos pelas defesas contra as decisões dos relatores que determinaram a baixa dos processos com base na jurisprudência do STF, por entenderem que os supostos delitos investigados não estão relacionados ao exercício do mandato ou que os fatos narrados ocorreram antes da diplomação no cargo.

O julgamento dos recursos foi retomado nesta terça-feira (6/11) com o voto-vista do ministro Luís Roberto Barroso, que acompanhou a posição dos relatores.

Relator é o mais abalizado
Embora considere que um agente público não deve ficar indefinidamente submisso a uma ameaça de persecução penal que pode causar prejuízos à sua carreira política, Barroso entende que o relator é o mais abalizado para avaliar se as investigações estão avançando ou se andam em círculos, sem a produção de indícios de conduta delitiva ou de materialidade suficientes para o oferecimento de denúncia.

Como nos dois inquéritos os relatores apontaram a existência de diligências pendentes, ele os acompanhou no sentido de mandar baixar os autos para que, na instância ordinária competente, se decida pela continuidade ou não dos inquéritos.

Ficou vencido o ministro Alexandre de Moraes, que se posicionou pelo acolhimento dos agravos e pelo arquivamento dos inquéritos. Ele considerou que, como não há indícios da prática de crimes mesmo depois de uma longa tramitação, os processos deveriam ser arquivados por determinação do STF.

Conheça os inquéritos:

3404

O inquérito foi instaurado para apurar a suposta prática de crimes contra a ordem tributária tipificados no artigo 1º, inciso I e artigo 2º, inciso I, da Lei 8.137/1990, combinado com o artigo 288 do Código Penal, pelo empresário Olavo Cruz de Lira e pelo senador Cássio Cunha Lima em 2009, quando este exercia o cargo de governador do Estado da Paraíba. Neste caso, a ministra Rosa Weber entendeu que, como a suposta conduta ocorreu quando ele ainda não detinha prerrogativa de foro junto ao STF, o caso deve ser remetido a uma das varas criminais da Seção Judiciária da Paraíba. Ao negar o pedido de arquivamento formulado pela defesa, a ministra salientou que ainda há uma diligência pericial pendente.

3499

O inquérito foi aberto na instância de origem para apurar a prática, em tese, de crime de estelionato mediante falsificação de laudos de certificação de grãos em nome da empresa Clacereais Ltda. Segundo declarações de uma testemunha, Paulo Pimenta seria proprietário de uma empresa de armazenamento de grãos que teria participado do suposto estelionato. O inquérito foi enviado ao STF em 2012 pelo juízo da Primeira Vara Federal e Juizado Especial Federal Criminal e Previdenciário de Uruguaiana.

Compartilhe
Previous Moro tem agenda de transição com Jungmann nesta quarta
Next Reduto democrata, Nova York tem eleitores unidos contra Trump

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Bolsonaro dá bronca em deputados eleitos e pede mais engajamento

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, aproveitou uma live que fez na sua página do Facebook, nesta quarta-feira (24/10), para dar um puxão de orelhas nos

Notícias

Após ser isolado, juiz determina que Sérgio Cabral volte à cela comum

A Justiça do Rio de Janeiro emitiu, por volta das 19h desta terça-feira, 24, ordem para que o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) seja transferido da cela em que ficou isolado

Notícias

“Não houve golpe militar em 1964”, afirma Bolsonaro

O candidato do PSL à Presidência da República, deputado Jair Bolsonaro, defendeu a ditadura militar (1964-1985) e disse que, se eleito, não vai abrir os arquivos do regime. O parlamentar