Americano é executado em cadeira elétrica no Tennessee

Americano é executado em cadeira elétrica no Tennessee

Um homem do Tennessee condenado por dois assassinatos foi executado nesta quinta-feira na cadeira elétrica nos Estados Unidos, após insistir neste método antigo em detrimento da injeção letal.

Edmund Zagorski, 63 anos, foi o primeiro condenado nos EUA a morrer eletrocutado nos últimos cinco anos.

Zagorski foi condenado à morte pelo assassinato em 1983 de dois homens que atraiu para um bosque sob a promessa de vender maconha.

Os corpos foram encontrados duas semanas depois, baleados e degolados.

A apelação à Suprema Corte para a suspensão da execução foi negada.

Apenas nove estados americanos seguem usando a cadeira elétrica e no Tennessee o método foi abolido em 2007.

O departamento Correcional do estado informou que a execução ocorreu “de acordo com as leis” do Tennessee. Zagorski foi declarado morto às 19H26 (21H26 Brasília).

No Tennessee, as pessoas condenadas à morte antes de 1999 têm o direito de escolher entre a cadeira elétrica e a injeção letal.

Compartilhe
Previous EUA anunciam sanções contra Venezuela e Cuba e prometem punição contra Nicarágua
Next Onyx Lorenzoni diz que é hora de falar pouco e trabalhar muito

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

VÍDEO. ACM Neto suspende plano de contingência; ASSISTA

Durante entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira(28), o prefeito ACM Neto(DEM)comentou sobre a suspensão do plano de contingência. Neto acredita que nesta terça-feira(29), 100% da frota de ônibus já esteja

Política

Congresso discute retomar financiamento empresarial para campanhas eleitorais

A resistência à criação de um fundo eleitoral com R$ 3,6 bilhões, abastecido com recursos públicos, e a indefinição das fontes orçamentárias para custeá-lo reacenderam no Congresso o debate sobre

Mundo

Europa unifica regras de proteção de dados a partir de hoje

A partir de hoje (25) entra em vigor o novo conjunto de regras de proteção de dados na Europa, que se destina a reforçar a segurança de 250 milhões de