Vamos derrotar a cultura do ódio e da violência, afirma Galo, sobre eleição de Haddad

Vamos derrotar a cultura do ódio e da violência, afirma Galo, sobre eleição de Haddad

O deputado estadual Marcelino Galo (PT) afirmou, durante a audiência pública que debateu a educação profissional de jovens e adultos, no auditório da UNEB, em Salvador, que a sociedade brasileira irá derrotar a cultura do ódio e da violência ao eleger Fernando Haddad presidente no próximo domingo (28). O evento foi organizado pela Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa e fez parte do calendário da pré-abertura do V Encontro Internacional de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos (ALFAeEJA). O parlamentar considerou ainda que entre a “barbárie” e a “civilização”, o Brasil ficará com a primeira opção, derrotando o “fascismo, o autoritarismo e todo retrocesso que representa a candidatura de Bolsonaro ao nosso país”.

“Temos muitos desafios ao desenvolvimento social, ao fortalecimento da educação pública, mas não haverá avanços se não elegermos quem tem compromisso com os direitos humanos, com a inclusão sócio educacional, com a educação como prática da liberdade como nos ensinou o mestre Paulo Freire, com a luta contra a desigualdade em nosso país. O momento exige de nós, educadores e democratas, resistência e coragem para evitar que o Brasil retroceda, ceda ao obscurantismo que defende o conflito social, o apartheid e a segregação, além da violência, como práticas civilizatórias”, ressaltou Galo. “Fernando Haddad já comprovou que tem compromisso com a Educação, foi o melhor ministro da História do Brasil, assegurou investimentos e políticas de Estado, no governo Lula, que permitiram a Bahia e outros Estados a ganhar novas Universidades Federais e também Institutos Federais, numa verdadeira transformação, garantindo também a democratização do acesso a essas instituições, com a presença dos filhos da classe trabalhadora. E isso incomoda muito a elite brasileira, que não aceita ver o pobre ascender na vida, dividir o banco da universidade com seu filho. É importante compreendermos esse quadro e as plataformas políticas que estão postas, uma que pretende governar para os ricos e massacrar os pobres, ou a que vai garantir o desenvolvimento autônomo, soberano, inclusivo e transformador que o Brasil precisa, assegurando a educação que liberta nosso povo da opressão e do atraso”, enfatizou Galo, em entrevista.

A Educação de Jovens e Adultos em contexto de resistências foi analisada também pelo professor Sérgio Haddad (USP), que avaliou o legado de Paulo Freire e os 50 anos da Pedagogia do Oprimido. A EJA e a garantia dos direitos à educação é o tema do V Encontro Internacional de Alfabetização e Educação de Jovens e Adultos (ALFAeEJA) que acontece entre os dias 12 e 14 de novembro, na Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre.

Compartilhe
Previous 'Vou pegar um país destroçado por causa das gestões do PT', diz Bolsonaro
Next Bolsonaro pretende viajar a Brasília para negociar troca de governo

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Mais pobres trabalham seis anos mais e recebem 50% menos ao aposentar

Os trabalhadores mais pobres esperaram em média seis anos a mais para se aposentar e só receberam metade do benefício dos demais trabalhadores em 2018. Segundo dados fornecidos pela Secretaria

Política

FHC insiste em Luciano Huck candidato; líderes tucanos reagem com reserva

A obsessão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em insuflar a pré-candidatura de Luciano Huck é vista com profundo desconforto pelo PSDB, embora o partido venha repetindo que isso é uma

Notícias

Após negativa de PR e PRP, Bolsonaro diz que o ‘seu partido é o povo’

O pré-candidato do PSL à Presidência da República, deputado federal Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira, 19, que “jamais” se comprometeu com os partidos que rejeitaram alianças com ele nos últimos