Nos estados com 2º turno, Bolsonaro tem amplo apoio contra Haddad

Nos estados com 2º turno, Bolsonaro tem amplo apoio contra Haddad

A uma semana para o segundo turno, o cenário que se desenha é favorável à eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência da República, segundo as pesquisas de intenção de voto. E um dos reflexos do desempenho do capitão da reserva está nas disputas dos 13 estados que escolherão seus governadores em 28 de outubro. Dos 26 finalistas, 15 declaram apoio ao presidenciável do PSL.

Desse grupo, nove devem sair vitoriosos das urnas, caso as sondagens se confirmem. Somente em um estado com segundo turno, o Rio Grande do Norte, um apoiador formal de Bolsonaro corre o risco de perder para alguém que defende Fernando Haddad (PT).

O petista tem palanque em apenas três estados. O ex-prefeito de São Paulo recebe o apoio de Fátima Bezerra (RN), João Capiberibe (PSB), no Amapá, e Belivaldo Chagas (PSD), em Sergipe. Eles lideram as disputas em seus respectivos estados, segundo as pesquisas de intenção de votos.

Os outros oito candidatos a governos estaduais em segundo turno adotaram a neutralidade ou simplesmente não declararam posicionamento para a disputa presidencial.

Dos 13 governadores eleitos no primeiro turno, sete apoiam Fernando Haddad. Três promovem a candidatura de Bolsonaro. Outros três adotaram a neutralidade no segundo turno (A listagem completa está no final deste texto). No DF, Ibaneis Rocha (MDB) e Rodrigo Rollemberg (PSB) adotaram, pelo menos oficialmente, a neutralidade na disputa presidencial.

Adesões contraditórias
A onda bolsonarista puxa apoios naturais (partidários do líder das pesquisas) e também candidatos de outras legendas, sendo que alguns contrariam as orientações de suas próprias siglas. É o caso dos pedetistas Juiz Odilon (MS), Amazonino Mendes (AM) e Carlos Eduardo (RN), que declaram voto em Bolsonaro no segundo turno, apesar do PDT apoiar criticamente Haddad. Segundo o Ibope, eles correm o risco de perderem em seus estados.

O movimento em favor do candidato do PSL tem uma particularidade: em cinco estados, os dois finalistas pelos governos locais apoiam publicamente Bolsonaro. Isso ocorre nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Amazonas, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

O PSL conseguiu colocar três candidatos a governos estaduais no segundo turno: Comandante Moisés (SC), Antonio Denarium (RR) e Marcos Rocha (RO). De acordo com pesquisas de intenção de votos, eles caminham para vitórias amplas sobre os respectivos adversários. Nesses três estados, Bolsonaro recebeu mais de 60% dos votos no primeiro turno.

O sentimento anti-PT das eleições deste ano, faz candidatos do PSDB apoiarem Bolsonaro no segundo turno. Na etapa inicial, o partido concorreu ao Palácio do Planalto com Geraldo Alckmin. Os tucanos João Doria (São Paulo), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul), Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul) e Expedito Júnior (Rondônia) aprovam o candidato do PSL. Antonio Anastasia (Minas Gerais) e José Anchieta (Roraima) não declararam apoio a Bolsonaro..

O PSDB não apoiará nem um nem outro e libera seus filiados e líderes para que decidam de acordo com sua consciência, com sua convicção e com a realidade de seus estados

Geraldo Alckmin, presidenciável tucano em anúncio do posicionamento do partido para o segundo turno
Rafaela Felicciano/Metrópoles

Situação às vésperas do segundo turno não é favorável ao presidenciável do PT

Apenas no Pará nenhum candidato ao governo local no segundo turno declarou apoio a algum dos presidenciáveis. Helder Barbalho (MDB) e Márcio Miranda (DEM) disputam o comando do Executivo paraense.

Estados com segundo turno, por ordem alfabética:

Amapá

  • João Capiberibe (PSB) – Fernando Haddad
  • Waldez Góes (PDT) – sem voto declarado

De acordo com levantamento do Ibope divulgado nesta sexta (19), Capiberibe tem 52% das intenções de votos válidos. Ele está empatado com Góes dentro da margem de erro (3 pontos percentuais para mais ou menos). No primeiro turno, Bolsonaro venceu no estado com 40,74% dos votos. Haddad somou 32,77%.

Amazonas

  • Amazonino Mendes (PDT) – Jair Bolsonaro
  • Wilson Lima (PSC) – Jair Bolsonaro

Candidato à reeleição, Amazonino está em segundo lugar na disputa deste ano. Segundo o Ibope, o pedetista soma 35% dos votos válidos. Lima tem 65%. No estado, Bolsonaro teve ligeira vantagem sob Haddad no primeiro turno: 43,48% a 40,3%.

Mato Grosso do Sul

  • Reinaldo Azambuja (PSDB) – Jair Bolsonaro
  • Juiz Odilon (PDT) – Jair Bolsonaro

Segundo pesquisa Ibope divulgada nesta sexta (19), Azambuja tem 53% e Odilon registra 47% dos votos válidos, portando, empatados no limite da margem de erro (3 pontos percentuais para mais ou menos). O tucano concorre à reeleição. No primeiro turno, Bolsonaro venceu no estado, com 55,06%. Haddad registrou 23,87%.

REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Reprodução/Facebook

Juiz Odilon contrariou a orientação do PDT e declarou apoio a Bolsonaro

Minas Gerais

  • Antonio Anastasia (PSDB) – sem voto declarado
  • Romeu Zema (Novo) – Jair Bolsonaro

Zema lidera as intenções de votos, segundo pesquisa Ibope divulgada na quinta-feira (18). O candidato do Novo soma 66% dos votos válidos. Anastasia, sem voto declarado no segundo turno presidencial, tem 34%. No primeiro turno, Jair Bolsonaro venceu em Minas Gerais, com 48,31% dos votos. Haddad teve 27,65%.

Pará

  • Helder Barbalho (MDB) – neutralidade
  • Márcio Miranda (DEM) – neutralidade

No estado onde nenhum dos finalistas declarou apoio a presidenciável, Barbalho tem 58% dos votos válidos. Miranda registra 42%, de acordo com o Ibope. No Pará, Fernando Haddad ficou à frente de Bolsonaro no primeiro turno. O petista teve 41,39% dos votos e o candidato do PSL, 36,19%.

Rio de Janeiro

  • Eduardo Paes (DEM) – neutralidade
  • Wilson Witzel (PSC) – Jair Bolsonaro

Segundo o Ibope, Witzel tem 60% e Paes registra 40% dos votos válidos. No estado, Bolsonaro venceu o primeiro turno com 59,79% dos votos. Haddad ficou em terceiro lugar, com 14,69%. O petista ficou atrás até de Ciro Gomes (PDT), que somou 15,22%.

REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Reprodução/Facebook

Wilson Witzel, candidato do PSC ao governo fluminense, apoia Jair Bolsonaro

Rio Grande do Norte

  • Fátima Bezerra (PT) – Fernando Haddad
  • Carlos Eduardo (PDT) – Jair Bolsonaro

De acordo com o último levantamento Ibope, a petista tem 54% das intenções de votos válidos. O pedetista tem 46%. No estado, Haddad venceu o primeiro turno, com 41,19%. Bolsonaro somou 30,21%.

Rio Grande do Sul

  • Eduardo Leite (PSDB) – Jair Bolsonaro
  • José Ivo Sartori (MDB) – Jair Bolsonaro

Entre os eleitores gaúchos, Leite tem 59% das intenções de votos válidos. Sartori, que busca a reeleição, tem 41%. O Rio Grande do Sul jamais reelegeu um governador. No primeiro turno, Bolsonaro ficou em primeiro lugar no estado, com 52,63% dos votos. Haddad teve 22,81%.

Rondônia

  • Expedito Júnior (PSDB) – Jair Bolsonaro
  • Marcos Rocha (PSL) – Jair Bolsonaro

No estado, Rocha lidera a última pesquisa Ibope divulgada nesta sexta (19). O candidato do PSL tem 63% das intenções de votos válidos. Expedito Júnior registra 37%. No primeiro turno, Bolsonaro venceu em Rondônia, com 62,24%. Haddad recebeu 20,36% dos votos do estado.

Roraima

  • José Anchieta (PSDB) – neutralidade
  • Antonio Denarium (PSL) – Jair Bolsonaro

Candidato apoiado por Bolsonaro, Denarium lidera com ampla vantagem sobre Anchieta no segundo turno. O postulante do PSL tem 62% das intenções de votos válidos contra 38% do tucano. No primeiro turno, Bolsonaro teve 62,97% dos votos no estado do extremo norte do país. Haddad registrou 17,85%.

Santa Catarina

  • Gelson Merísio (PSD) – Jair Bolsonaro
  • Comandante Moisés (PSL) – Jair Bolsonaro

De acordo com o Ibope, em pesquisa divulgada nesta sexta (19), Moisés tem 59% das intenções de votos válidos. Merísio tem 41%. Santa Catarina foi o estado que deu a vitória mais ampla a Bolsonaro no primeiro turno. O capitão da reserva somou 65,82% dos votos catarinenses em 7 de outubro. Fernando Haddad teve 15,13%.

São Paulo

  • João Doria (PSDB) – Jair Bolsonaro
  • Márcio França (PSB) – neutralidade

De acordo com o Ibope, a disputa pelo governo paulista registra empate técnico, dentro da margem de erro (3 pontos percentuais para mais ou menos). Doria tem 52% e França 48% dos votos válidos, segundo o Ibope (18/10). No primeiro turno, Bolsonaro teve 53% dos votos em São Paulo. Haddad registrou 16,42%.

Michael Melo/MetrópolesJoão Doria (PSDB) deixou a prefeitura da capital paulista para tentar o governo do estado

Sergipe

  • Valadares Filho (PSB) – sem voto declarado
  • Belivaldo Chagas (PSD) – Fernando Haddad

De acordo com pesquisa Ibope divulgada na quinta (18), Belivaldo lidera as pesquisas de intenção de votos no estado. São 58% dos votos válidos. Valadares Filho tem 42%. No primeiro turno, Fernando Haddad somou 50,09%. Bolsonaro ficou em segundo, com 27,21%.

Estados que definiram governadores em primeiro turno:

  • Acre – Gladson Cameli (PP): não declarou apoio no segundo turno
  • Alagoas – Renan Filho (MDB): Fernando Haddad
  • Bahia – Rui Costa (PT): Fernando Haddad
  • Ceará – Camilo Santana (PT): Fernando Haddad
  • Goiás – Ronaldo Caiado (DEM): Jair Bolsonaro
  • Espírito Santo – Renato Casagrande (PSB): neutralidade
  • Maranhão – Flávio Dino (PCdoB): Fernando Haddad
  • Mato Grosso – Mauro Mendes (DEM): Jair Bolsonaro
  • Paraíba – João Azevêdo (PSB): Fernando Haddad
  • Paraná – Ratinho Júnior (PSD): Jair Bolsonaro
  • Pernambuco – Paulo Câmara (PSB): Fernando Haddad
  • Piauí – Wellington Dias (PT): Fernando Haddad
  • Tocantins – Mauro Carlesse (PHS): não declarou voto
Compartilhe
Previous Bolsonaro confirma o astronauta Marcos Pontes como possível ministro
Next Bolsonaro defende autonomia política do BC e fim da reeleição

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Maior número de blocos sem corta ajuda a diminuir violência no Carnaval

Desde o Carnaval 2016 até este terceiro dia de festa em 2018, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) registrou redução significativa no volume de atendimentos diretamente ligados à folia. Neste

Política

Fachin proíbe Cristiane Brasil de entrar no Ministério do Trabalho

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB) está proibida de entrar no prédio do Ministério do Trabalho. Por decisão do ministro Luiz Edson Fachin, no âmbito da Registro Espúrio, ela também

Política

“Precisamos fortalecer a Ceplac, pois a cadeia produtiva do cacau vive um novo ciclo”, afirma senadora Lídice da Mata

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) afirmou, nesta segunda-feira (20) que a cadeia produtiva do cacau no Sul da Bahia vive um novo ciclo. A parlamentar foi uma das participantes