Datafolha: Bolsonaro, 58%; Haddad, 42%

Datafolha: Bolsonaro, 58%; Haddad, 42%

A primeira pesquisa de intenção de voto para os candidatos à presidência que disputam o segundo turno apontou vantagem de 16 pontos de Jair Bolsonaro sobre Fernando Haddad.

De acordo com o Datafolha divulgado na noite desta quarta-feira (10), o candidato do PSL tem 58% dos votos válidos, enquanto o candidato do PT tem apoio de 42% dos entrevistados.

Os votos brancos e nulos somam 8% e apenas 6% dos entrevistados se declararam indecisos. No levantamento contratado pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo o instituto ouviu 3.235 pessoas em 227 municípios nesta quarta-feira. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos.

Nos três dias após o primeiro turno, os dois candidatos absorveram de forma uniforme o eleitora dos outros candidatos. Se considerados os votos totais – sem excluir os votos brancos e nulos – Bolsonaro tem 49% das intenções de voto. No primeiro turno ele tinha conquistado 42% dos votos totais. Já o petista, que no primeiro turno angariou 27%, passou para 36% das intenções de voto.

Compartilhe
Previous Paulo Guedes diz que investigação contra ele é para confundir eleitor
Next TSE vai tratar de fake news com WhatsApp e quer lançar aplicativo para denúncias

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Prazo de recursos para não pagar inscrição no Enem 2018 termina neste domingo

Quem teve a solicitação de isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 e/ou a justificativa de ausência no Enem 2017 reprovadas tem até este

Notícias

Presidente do BNDES alerta que devolução de R$ 180 bi diminui tamanho banco

O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, informou hoje (14) que recebeu um pedido do governo federal para devolver R$ 180 bilhões

Política

Fachin quer ouvir PGR antes de decidir sobre pedido de Lula para suspender prisão

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu ouvir primeiramente a Procuradoria-Geral da República (PGR) antes de decidir sobre o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula