Bolsonaro volta a criticar privatização da Eletrobras

Bolsonaro volta a criticar privatização da Eletrobras

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, voltou a afirmar em entrevista à TV Bandeirantes que tem resistências com a privatização da Eletrobras.

Ele comentou que, se for eleito, no setor de energia elétrica “a gente não vai mexer”. Na mesma resposta, o candidato disse não ser contrário às privatizações na área, mas pontuou as reservas que têm.

“A gente vai vender para qualquer capital do mundo? Você vai deixar a nossa energia na mão da China? A gente pode conversar sobre distribuição, mas sobre geração não”, afirmou, em entrevista gravada na tarde desta terça-feira, 9, e exibida à noite no Jornal da Band.

Bolsonaro se comprometeu mais uma vez com a privatização das empresas que dão prejuízo.

Especificamente sobre Petrobras, ele disse que o “miolo da empresa tem de ser preservado”. Em relação aos preços de combustíveis, Bolsonaro comentou que “faltam dados para melhor análise” sobre o modelo a ser adotado.

Impostos

Na entrevista, o candidato do PSL disse ainda que acertou com o economista Paulo Guedes que, de imediato, está descartado o aumento de impostos. “Ele vai negociar, não vai ter canetaço”, afirmou.

O capitão se comprometeu ainda em reduzir a carga tributária para o setor produtivo, aos moldes da reforma feita nos Estados Unidos pelo presidente Donald Trump.

De acordo com Bolsonaro, Guedes está conversando com “várias pessoas” sobre economia, mas não adiantou o nome de ninguém. Ele também afirmou que o Banco Central será independente politicamente.

Compartilhe
Previous Dia das Crianças é comemorado com brincadeiras na Fundação Hemoba
Next PRB libera filiados no 2º turno, mas deve dar mais apoio a Bolsonaro

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Economia

Em vídeo, ministro da Fazenda pede “oração pela economia” do Brasil

Em um vídeo que circula em grupos de políticos no WhatsApp, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, diz que “nunca houve uma recessão como essa” e pede “uma oração pela

Mundo

Mulheres poderão tirar licença devido a cólicas menstruais

O parlamento italiano está considerando uma proposta voltada às mulheres que sofrem muito com dores menstruais. Segundo o projeto, elas poderão ter licença menstrual de até três dias remunerados. Países

Política

Oposição oficializa pedido de informações ao governo sobre patrocínio sem licitação a show de Paul Maccartney

Diante da necessidade de se cumprir o papel de fiscalização do governo do estado na aplicação do dinheiro público, a Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa da Bahia enviou a