Bahia permanece fora do horário de verão

Bahia permanece fora do horário de verão

A Bahia não vai aderir ao horário de verão em 2018, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira (4) pelo governo do estado. Está será a sétima vez consecutiva que o estado fica fora do horário. A última vez que a Bahia adiantou os relógios no verão foi em 2011, após oito anos sem participar.

O horário de verão começará no país em 18 de novembro. A previsão era de que ele fosse implementado em 4 de novembro, entretanto, a pedido do Ministério da Educação (MEC), o presidente Michel Temer adiou o início do horário de verão. O MEC solicitou o adiamento para evitar possíveis confusões e atrasos dos candidatos do Enem, já que a data de 4 de novembro coincidia com o primeiro dia de provas do processo seletivo.

Em geral, o horário de verão começa em outubro. Mas, para não coincidir com a data das eleições, Temer já havia assinado um decreto no fim de 2017 que adiou o período para novembro.

O encerramento do horário de verão foi mantido e ocorrerá no dia 16 de fevereiro de 2019, terceiro domingo do mês. Nessa data, os relógios deverão ser atrasados em uma hora.

Compartilhe
Previous Hackers norte-coreanos tentaram roubar US$ 1,1 bi e já atacaram Brasil
Next Valença: Homem suspeito de envolvimento em mais de 120 homicídios morre em confronto com a polícia

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Economia

Novo período para saque do abono salarial 2016 começa dia 26 de julho

O prazo para o pagamento do abono salarial ano-base 2016 foi prorrogado e os trabalhadores poderão sacar o benefício a partir desta quinta-feira (26). O dinheiro ficará disponível até 30

Notícias

A 12 dias das eleições, conselho de fake news do TSE se reúne com WhatsApp

A 12 dias do segundo turno das eleições, o Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se reúne na tarde desta terça-feira, 16, por teleconferência com

Política

PF rebate perito de Temer e insiste que não houve adulteração em áudio

Os peritos do Instituto Nacional de Criminalística (INC) da Polícia Federal que fizeram a análise do áudio da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário e delator Joesley