Bahia permanece fora do horário de verão

Bahia permanece fora do horário de verão

A Bahia não vai aderir ao horário de verão em 2018, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira (4) pelo governo do estado. Está será a sétima vez consecutiva que o estado fica fora do horário. A última vez que a Bahia adiantou os relógios no verão foi em 2011, após oito anos sem participar.

O horário de verão começará no país em 18 de novembro. A previsão era de que ele fosse implementado em 4 de novembro, entretanto, a pedido do Ministério da Educação (MEC), o presidente Michel Temer adiou o início do horário de verão. O MEC solicitou o adiamento para evitar possíveis confusões e atrasos dos candidatos do Enem, já que a data de 4 de novembro coincidia com o primeiro dia de provas do processo seletivo.

Em geral, o horário de verão começa em outubro. Mas, para não coincidir com a data das eleições, Temer já havia assinado um decreto no fim de 2017 que adiou o período para novembro.

O encerramento do horário de verão foi mantido e ocorrerá no dia 16 de fevereiro de 2019, terceiro domingo do mês. Nessa data, os relógios deverão ser atrasados em uma hora.

Compartilhe
Previous Hackers norte-coreanos tentaram roubar US$ 1,1 bi e já atacaram Brasil
Next Valença: Homem suspeito de envolvimento em mais de 120 homicídios morre em confronto com a polícia

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Lauro: Univerão atrai público de todo o Estado interessado em conhecimento, cultura e diversão

“O teatro me ajudou no período da escola, me tornei mais desinibida e segura das minhas iniciativas. A Univerão me dará nova oportunidade de continuar vencendo as barreiras da timidez

Notícias

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy é detido

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy foi detido na polícia, onde provavelmente será questionado como parte de uma investigação de irregularidades suspeitas em relação ao financiamento da campanha eleitoral de 2007,

Política

Lula agiu pessoalmente e ameaçou substituir os próprios conselheiros, diz Paulsen

O desembargador Leandro Paulsen defendeu que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva agiu “pessoalmente” para garantir manutenção em esquema na Petrobras que gerou propinas para os governos e eleições