Alckmin: ‘Eu não vou ser pau mandado de banqueiro’

Alckmin: ‘Eu não vou ser pau mandado de banqueiro’

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, endureceu o discurso contra os bancos neste domingo (23), ao prometer uma maior abertura desse mercado a instituições estrangeiras, como forma de aumentar a oferta de crédito para empreendedores. “Eu não vou ser pau mandado de banqueiro. O meu senhor é o povo. Vou trabalhar para os mais pobres, fazer o País crescer e ter um País mais justo.”, afirmou o tucano.

Alckmin afirmou que pretende alterar as regras para a entrada de instituições financeiras no País. Hoje, de acordo com ele, há um decreto pelo qual bancos estrangeiros dependem de aval do presidente da República para ingressar no mercado local.

O candidato tucano afirmou ainda que pretende rever o papel do Banco Nacional de Desenvolvimento na concessão de crédito a pequenas e médias empresas. “O BNDES não vai ser para os campeões nacionais, para quem é milionário ficar bilionário. Vai ser para fomentar a economia, principalmente pelos médios e pequenos empreendedores”.

Compartilhe
Previous Economista de Bolsonaro cancela eventos após polêmica do CPMF
Next Bolsonaro apresenta boa evolução e deu início a dieta leve, diz boletim médico

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

No dia de votação da denúncia, Temer recebeu mais de 30 deputados

Com o mesmo ritual da primeira denúncia, o presidente Michel Temer (PMDB) seguiu com as portas do gabinete abertas para receber parlamentares em audiência nesta quarta-feira (18/10), quando a Comissão

Notícias

Camaçari: Finalizada a primeira etapa do processo de peixamento

A Prefeitura de Camaçari, através da Secretaria do Desenvolvimento da Agricultura e Pesca (Sedap) realizou a última entrega de filhotes de peixes na zona rural do município de Camaçari, pela

Política

Janot denuncia Lobão, Jader, Renan, Jucá, Raupp e Sarney por ‘quadrilhão do PMDB’

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) sete membros do PMDB por integrarem organização criminosa que desviou recursos públicos e obteve vantagens indevidas, sobretudo no