Alckmin: ‘Eu não vou ser pau mandado de banqueiro’

Alckmin: ‘Eu não vou ser pau mandado de banqueiro’

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, endureceu o discurso contra os bancos neste domingo (23), ao prometer uma maior abertura desse mercado a instituições estrangeiras, como forma de aumentar a oferta de crédito para empreendedores. “Eu não vou ser pau mandado de banqueiro. O meu senhor é o povo. Vou trabalhar para os mais pobres, fazer o País crescer e ter um País mais justo.”, afirmou o tucano.

Alckmin afirmou que pretende alterar as regras para a entrada de instituições financeiras no País. Hoje, de acordo com ele, há um decreto pelo qual bancos estrangeiros dependem de aval do presidente da República para ingressar no mercado local.

O candidato tucano afirmou ainda que pretende rever o papel do Banco Nacional de Desenvolvimento na concessão de crédito a pequenas e médias empresas. “O BNDES não vai ser para os campeões nacionais, para quem é milionário ficar bilionário. Vai ser para fomentar a economia, principalmente pelos médios e pequenos empreendedores”.

Compartilhe
Previous Economista de Bolsonaro cancela eventos após polêmica do CPMF
Next Bolsonaro apresenta boa evolução e deu início a dieta leve, diz boletim médico

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Adolescente é flagrada pela PRF transportando 20 kg de maconha para Ilhéus

A Polícia Rodoviária Federal apreendeu na tarde de sexta-feira (19), em Vitória da Conquista, região sudoeste da Bahia, uma menor de idade transportando 20 kg de drogas em um ônibus

Política

Doze ministros devem reassumir mandatos na Câmara para votar contra denúncia

Doze ministros do governo que são deputados licenciados devem reassumir os mandatos na Câmara para ajudar a barrar, no plenário, a denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer,

Notícias

Em nota, Eunício diz que narrativa de delatores é ‘falsa e caluniosa’

Em nota, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) afirmou que a narrativa das delações premiadas do executivo Ricardo Saud e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado é “falsa e