Jaques Wagner diz que vota em Alckmin se tucano for ao 2º turno contra Bolsonaro

Jaques Wagner diz que vota em Alckmin se tucano for ao 2º turno contra Bolsonaro

O ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner (PT-BA) pregou “menos intolerância” entre PT e PSDB e disse que, se o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) for para o segundo turno da disputa presidencial com o deputado Jair Bolsonaro (PSL), votará no tucano.

“O PT e o PSDB precisam parar de ser intolerantes um com o outro”, afirmou o petista, ao chegar nesta quinta-feira, 13, para a cerimônia de posse do ministro Dias Toffoli na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). “Eu acho que o Haddad (Fernando Haddad, candidato do PT) já está no segundo turno com Bolsonaro. Mas, se houver uma hecatombe e ele não for, vou votar no outro.”

Questionado se terá a mesma opinião se o “outro” for Alckmin, Wagner respondeu que não teria dúvidas em apoiar o candidato do PSDB, independentemente da posição do PT. Disse, ainda, que o PT não poderá centralizar manifestações individuais.

“Esse jogo de canto de rua não está ajudando o País. A política de zerar adversário não leva a lugar nenhum”, insistiu o petista, que chegou a ser cotado para substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cabeça da chapa petista. “Assim como quero que Alckmin, Ciro (Gomes) e Marina (Silva) venham para o nosso lado se nós formos para o segundo turno com Bolsonaro, eu também apoiarei qualquer um deles (contra o capitão reformado) se não estivermos lá”.

“O PT e o PSDB precisam parar de ser intolerantes um com o outro”, afirmou o petista, ao chegar nesta quinta-feira, 13, para a cerimônia de posse do ministro Dias Toffoli na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). “Eu acho que o Haddad (Fernando Haddad, candidato do PT) já está no segundo turno com Bolsonaro. Mas, se houver uma hecatombe e ele não for, vou votar no outro.”

Questionado se terá a mesma opinião se o “outro” for Alckmin, Wagner respondeu que não teria dúvidas em apoiar o candidato do PSDB, independentemente da posição do PT. Disse, ainda, que o PT não poderá centralizar manifestações individuais.

“Esse jogo de canto de rua não está ajudando o País. A política de zerar adversário não leva a lugar nenhum”, insistiu o petista, que chegou a ser cotado para substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cabeça da chapa petista. “Assim como quero que Alckmin, Ciro (Gomes) e Marina (Silva) venham para o nosso lado se nós formos para o segundo turno com Bolsonaro, eu também apoiarei qualquer um deles (contra o capitão reformado) se não estivermos lá”.

Compartilhe
Previous Subúrbio ganha novo posto de saúde da Prefeitura
Next Ciro questiona viabilidade da candidatura de Fernando Haddad

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Boa Nova: Homem é morto com tiro de espingarda disparado pelo cunhado

Um homem de 53 anos de idade morreu após ser atingido por um tiro de espingarda caseira. O crime foi registrado nesse domingo (21) pela polícia na localidade conhecida como

Política

Em gravação de 2014, Cristiane Brasil ameaça servidores, mostra TV Globo

A deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), que tenta há um mês ser confirmada como titular do Ministério do Trabalho, foi flagrada ameaçando servidores públicos para conseguir votos na sua campanha

Política

Oposição diz que governador precisa esclarecer extinção de 1,8 mil cargos e criação de 1,6 mil

O pedido de vista apresentado pela Bancada de Oposição, na sessão de ontem, referente a um projeto do lei do Executivo, que sobrestava a pauta conseguiu adiar a votação de