Pesquisas não podem simular cenários com Haddad e sem Lula após dia 15

Pesquisas não podem simular cenários com Haddad e sem Lula após dia 15

Especialistas questionam a possibilidade de o nome do ex-prefeito Fernando Haddad (PT) constar em pesquisas eleitorais a partir do dia 15 de agosto, quando o PT deve solicitar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o registro da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato.

Isso porque a Justiça Eleitoral exige que, a partir desse período, institutos de pesquisas coloquem os nomes de todos os candidatos cujos registros tenham sido requeridos. Assim, a regra impediria a apresentação de cenários sem Lula na corrida ao Palácio do Planalto.

Até o momento, com a perspectiva de a candidatura de Lula ser barrada na Justiça Eleitoral, as pesquisas têm simulado pelo menos dois cenários: um com o ex-presidente e outro com seu provável substituto, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

A partir do dia 15, no entanto, essa situação abre margem para adversários ou o Ministério Público questionarem o expediente, avaliam especialistas consultados. O cenário sem Lula e com Haddad, com base nesse entendimento, só poderia voltar às pesquisas quando houver a substituição do candidato. Até lá, as empresas terão que avaliar a capacidade de transferência de votos de Lula com perguntas específicas ao eleitor, afirmam os analistas.

A resolução do TSE sobre pesquisas diz que “a partir das publicações dos editais de registro de candidatos, os nomes de todos cujo registro tenha sido requerido deverão constar da lista apresentada aos entrevistados durante a realização das pesquisas”. A lei não proíbe expressamente a inclusão de nomes de não postulantes, mas obriga a presença de todos os registrados no TSE nas simulações.

Polêmica
Para a advogada Marilda Silveira, especialista em direito eleitoral, o objetivo da pesquisa é definir um cenário para o eleitor, e não confundi-lo. Um candidato não registrado após o prazo, argumenta, não poderia estar nas sondagens, embora a lei não proíba a possibilidade explicitamente.

“Não há vedação para fazerem a pesquisa incluindo o nome de outros políticos. Mas também é bastante sustentável a tese de que não se pode cogitar outros nomes a partir do momento no qual os registros já estão definidos e os candidatos colocados na mesa”, aponta. “A lei define o que é candidato e é quem pediu o registro de candidatura”, comenta Marilda.

Para ela, se Haddad for colocado em pesquisas, o TSE poderá ser provocado. “Certamente, se alguém tentar fazer uma pesquisa com quem não é candidato, [o tema] será judicializado. Difícil que algum candidato conteste, porque para eles é interessante avaliar o cenário, mas o Ministério Público pode questionar”, advertiu a advogada.

O professor de direito constitucional Daniel Falcão, da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto de Direito Público (IDP), é enfático ao afirmar que uma pesquisa não pode ir a campo com nome de quem não solicitou o registro da Justiça Eleitoral como candidato.

Ineditismo
“Não vejo essa possibilidade. Não tem nada na lei proibindo, mas está implicitamente claro que só candidatos devem ser colocados”, afirma. Conforme lembra o especialista, o impasse é inédito porque esta é a primeira eleição presidencial na qual um postulante à Presidência “sabidamente inelegível” é registrado com a estratégia para substituí-lo expressa publicamente.

O que está autorizado, diz o professor, é o instituto de pesquisa apresentar a chapa registrada no TSE, com o nome do candidato e do vice juntos. No caso do PT, poderia ser colocado ao eleitor a opção “Lula/Haddad”, pois o ex-prefeito será registrado inicialmente como vice de Lula. Essa estratégia, no entanto, não conseguiria levantar a capacidade de transferência de votos do ex-presidente.

O advogado eleitoral Gustavo Guedes concorda que os institutos não poderão, a partido do registro das candidaturas, colocar um cenário sem o ex-presidente Lula, determinado a ser candidato até ter sua condição avaliada pela Justiça. “Não recomendaria um questionário completo com o Fernando Haddad e sem o Lula”, diz.

A saída para os institutos de pesquisa, aponta, é fazer uma pergunta específica citando a possibilidade de Lula não ser candidato e questionando ao eleitor qual é a intenção de voto nessa situação. “As pesquisas não são estanques e têm que apreender a realidade, então não vejo nada ilegal de se fazer essa pergunta específica ao final do questionário”, observa. Ele também afirma ser possível perguntar aos eleitores de Lula em quem eles votariam caso o ex-presidente fosse impedido de concorrer.

O Ministério Público, candidatos, partidos e coligações podem entrar com processo de impugnação da divulgação das pesquisas após o registro dos levantamentos. No registro, é possível ter acesso aos questionários das entrevistas e antecipar quais nomes estarão nos cenários considerados. “Não tenho a menor dúvida que, se fizeram isso, colocar uma pergunta com o nome de Lula e outra com o nome de Haddad, haverá impugnação da pesquisa”, comenta Daniel Falcão.

Outro lado
Segundo informou o TSE, as regras para as pesquisas eleitorais são regulamentadas por resolução do tribunal e a Justiça Eleitoral só pode se manifestar sobre situações não esclarecidas nas normas, como a inclusão de nomes que não são oficialmente candidatos em pesquisas, se a situação for questionada no âmbito judicial.

Para o advogado Luiz Fernando Casagrande Pereira, responsável por assessorar o PT no registro da candidatura presidencial, o ex-prefeito Fernando Haddad poderá ser incluído nas pesquisas eleitorais mesmo após o partido solicitar a candidatura de Lula como cabeça de chapa: “O que não pode é fazer uma pesquisa inteira sem o Lula. Mas colocar uma pergunta com ele e outra com Haddad, pode”.

Compartilhe
Previous Câmara adia decisão sobre perda de mandato de Maluf
Next Governadores do PSDB fazem campanha para Bolsonaro e Alckmin

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Índice de inadimplência cai em agosto, mas atinge 61,5 milhões, diz Serasa

O total de consumidores inadimplentes atingiu 61,5 milhões em agosto, informa a Serasa Experian. No período, o índice que mede o nível de inadimplência caiu 0,16% na comparação com julho, quando

Cotidiano

SBM Offshore restitui R$ 549 mi à Petrobras em acordo de leniência

A SBM Offshore realizou, na última sexta-feira (19/10) o pagamento de R$ 549 milhões à Petrobras, resultado do acordo de leniência firmado com o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da

Política

Maia terá de decidir futuro dos mandatos de Maluf e Jacob na volta do recesso

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai decidir no reinício dos trabalhos legislativos o que fazer com os mandatos de Paulo Maluf (PP-SP) e Celso Jacob (MDB-RJ), presos em