Prefeito terá que devolver R$ 300 mil aos cofres públicos por irregularidades em licitações

Prefeito terá que devolver R$ 300 mil aos cofres públicos por irregularidades em licitações

O Tribunal de Contas dos Municípios (TMC) votou, em sessão desta quarta-feira (1º), contra o prefeito de Santa Brígida, Carlos Clériston Gomes, conhecido como Gordo de Raimundo (PT) por irregularidades em processos licitatórios no ano de 2013. O TCM julgou denúncia feita vereadora de Santa Brígida, Lúcia Maria Silva. O conselheiro Fernando Vita, relator do processo, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual contra o gestor, para que se apura a eventual prática de ato de improbidade administrativa. Também foi imputada multa no valor de R$ 15 mil pela irregularidade praticada e determinado o ressarcimento aos cofres municipais, com recursos pessoais, do montante de R$304.690,00, referente ao pagamento em montante superior ao contratado. A equipe técnica constatou que as dispensas de licitação, apesar de justificadas em razão de situação de emergência, não tiveram como fundamento qualquer situação a ser classificada emergencial.

Compartilhe
Previous Produção industrial cresce 13,1% de maio para junho
Next STF define que criança só pode entrar no fundamental se fizer 6 anos até março

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Trabalhador tem até hoje para sacar abono salarial ano-base 2015

Termina nesta quinta-feira (28) o prazo para saque do abono salarial ano-base 2015. Até o fim de novembro, 1,4 milhão de brasileiros com direito ao benefício ainda não tinham sacado

Política

Temer troca 7 vice-líderes do governo na Câmara

O presidente Michel Temer encaminhou à Câmara o nome de 15 deputados para exercer a função de vice-líderes do governo na Casa. Na nova lista, Temer trocou sete deputados e

Cotidiano

Cármen Lúcia pede que Gilmar fale sobre suspeição no caso Barata Filho

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, decidiu nesta segunda-feira (28/8) notificar o ministro Gilmar Mendes sobre a arguição de suspeição apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo