Planalto intervém para evitar apoio do PP a Ciro nas eleições 2018

Planalto intervém para evitar apoio do PP a Ciro nas eleições 2018

O Palácio do Planalto ameaça tirar cargos do PP no governo se o partido decidir apoiar o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, nas eleições 2018. Terceira bancada da Câmara, com 49 deputados, o PP é o maior partido do Centrão e controla os ministérios da Saúde, Cidades e Agricultura – com orçamentos que, juntos, somam R$ 153,5 bilhões –, além de ter o comando da Caixa. A pressão do Planalto e divergências no bloco – também formado por DEM, Solidariedade e PRB – mantêm indefinida a posição do Centrão na disputa.

Em reunião realizada nesta quarta-feira, 11, na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os partidos que compõem o grupo não chegaram a um acordo e escancararam a divisão interna. Além das quatro siglas, participaram do almoço na casa de Maia políticos do PSC, do PHS e o ex-deputado Valdemar Costa Neto, chefe do PR.

Antes do encontro, o presidente Michel Temer fez chegar ao PP o seguinte recado: “Vocês podem apoiar quem quiserem, menos Ciro Gomes”. Em conversas reservadas, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, avisou, na semana passada, que trabalharia para que os “infiéis” perdessem os cargos. Auxiliares de Temer sabem que o PP não engrossará a campanha do pré-candidato do MDB, Henrique Meirelles, mas não querem ver o aliado aderindo ao rival.
Ciro chamou Temer, recentemente, de “quadrilheiro” e “ladrão”. Disse ainda que ele será preso. O presidente do PP, Ciro Nogueira (PI), defende o aval ao pré-candidato do PDT, posição compartilhada por Maia e pelo deputado Paulo Pereira da Silva (SP), que dirige o Solidariedade. Uma parte do DEM, porém, quer fechar acordo com o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) e o PRB negocia aliança com o tucano. “Estamos pondo as divergências à mesa para ver como conseguimos construir as convergências”, disse o deputado Mendonça Filho (DEM-PE), ex-ministro da Educação de Temer.

Balança. Na prática, o apoio do Centrão é visto como fiel da balança na disputa ao Planalto. Se todos os partidos estiverem juntos, a avaliação do próprio governo é de que o grupo pode desequilibrar o jogo em favor de um candidato. É por esse motivo que o Planalto age para evitar que o PP fique com Ciro.

O dote eleitoral oferecido pelo bloco é de, no mínimo, 4 minutos e 12 segundos por dia no horário eleitoral de rádio e TV, que começa em 31 de agosto. Somente as quatro legendas – DEM, PP, Solidariedade e PRB – reúnem 124 deputados e têm palanques importantes, principalmente no Nordeste e no Sudeste. Embora o maior partido do grupo seja o PP, a força do DEM pode ser medida pelo comando da Câmara, zona de influência que a sigla quer manter na próxima legislatura.

Às vésperas das convenções para oficializar os candidatos, esta quarta-feira foi marcada por muitas negociações de bastidores. Após o encontro do Centrão, por exemplo, Alckmin foi ao Congresso e se reuniu a portas fechadas com Ciro Nogueira. Pediu apoio, mas não obteve resposta. Presidente do PSDB, o tucano oferece a vice na chapa para quem fizer dobradinha com ele. “Queremos estar juntos para ganhar a eleição e também para governar”, disse Alckmin.

Na outra ponta, Valdemar Costa Neto se encontrou com o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), e com o ex-ministro Jaques Wagner, que solicitaram a chancela do PR ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato.

O PR está propenso a se unir ao deputado Jair Bolsonaro (PSL), que lidera as pesquisas em um cenário sem Lula. Na reunião desta quarta-feira com o Centrão, porém, Costa Neto acenou com a possibilidade de indicar o empresário Josué Gomes (PR) como vice na chapa de um candidato avalizado pelo Centrão, se as negociações com Bolsonaro e o PT não prosperarem. Josué é filho do ex-vice-presidente José Alencar, morto em 2011.

Presidente do PRB deixa encontro criticando colegas do Centrão
O presidente do PRB, Marcos Pereira, deixou o encontro criticando os colegas. “A bancada do PRB está cansada de ser usada. Os partidos maiores querem usar o tempo do partido e a estrutura, mas não há reciprocidade. Todo mundo se fortalece e a gente continua na mesma”, atacou Pereira, que é ex-ministro do governo Temer.

Em público, ele defendeu o apoio ao pré-candidato do PRB, Flávio Rocha, embora nos bastidores o partido queira emplacar o empresário como vice em alguma chapa. “A reciprocidade que falta é o espaço devido pelo que representamos”, afirmou o líder do PRB na Câmara, Celso Russomanno (SP). “A gente não está pedindo ministério A, B ou C, mas o espaço que temos (no governo Michel Temer) é pouco.”

Compartilhe
Previous Impacto fiscal de pauta-bomba do Congresso já supera os R$ 100 bi
Next Senador Magno Malta recusa ser vice na chapa de Bolsonaro

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Marido confessa que matou grávida por ciúmes em Serrinha

A jovem Daiane Reis Mota, de 25 anos, que foi assassinada na zona rural do município de Serrinha, há 69 km de Feira de Santana, foi preso no início da

Política

Supremo decide hoje se aceita denúncia contra Aécio

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, voltou a pedir, em documento enviado ontem ao Supremo Tribunal Federal (STF), que a Corte receba integralmente a denúncia contra o senador Aécio Neves

Notícias

PR vai abrir processo contra deputados que votaram contra Temer

O PR, que controla o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil e possui indicações em bancos públicos, anunciou nesta quinta-feira (3) que vai acionar o Conselho de Ética da