Comissão aprova proposta que congela salários de servidores

Comissão aprova proposta que congela salários de servidores

O plenário do Congresso vota nesta quarta-feira (11/7) o relatório do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2019. Entre as alterações mais polêmicas, está o congelamento de salários e benefícios de servidores públicos federais, a partir do próximo ano.

Mais cedo, o documento foi aprovado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO). A partir daí, a norma segue diretamente para o plenário, conforme planejado pelo presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (MDB-CE). Ele disse esperar concluir a votação do texto ainda nesta quarta. Os destaques ao relatório do senador Dalírio Beber (PSDB-SC), relator da proposta, deverão ser apreciados no pleno.

A aprovação do projeto na CMO ocorreu sob forte pressão de parlamentares – tanto da oposição quanto da base governista. Até o líder do governo do presidente Michel Temer, senador Romero Jucá (MDB-RR), articula-se para derrubar a regra que impede reajustes de servidores.

“Entendo que, com o teto já limitando, não caberia nenhum tipo de subteto quanto à despesa administrativa ou quanto à contratação de pessoal. Na verdade, nós estaríamos inferindo sobre a atribuição específica constitucional de os Poderes terem autonomia de fazerem seus próprios orçamentos”, disse Jucá.

Dalírio Beber mostrou-se irredutível. Ele não aceitou retirar o congelamento dos salários e benefícios dos servidores públicos federais em 2019. No entanto, o senador incluiu uma cláusula para permitir ao governo seguinte a proposição de reajustes por meio de projeto de lei. Isso dependerá da vontade do próximo presidente. A aprovação deverá passar pelo Congresso. Pelo novo texto apresentado, funcionários do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) teriam prioridade nos ajustes salariais. Os demais trabalhadores do funcionalismo federal viriam depois.

Protestos
Junto a parlamentares contrários ao relatório, entidades representativas de servidores públicos federais promovem uma manifestação na tentativa de barrar a proibição de tais reajustes. Sindicatos levaram um boneco gigante do presidente Michel Temer para convencer deputados e senadores a votarem contra o parecer. O chamado Micheleco Vampirão foi instalado na entrada do prédio do Anexo 2 da Câmara dos Deputados.

Caso não consiga votar a LDO 2019 nesta quarta-feira (11/7), o Congresso tem até 17 de julho para deliberar o projeto. Caso contrário, pode inviabilizar o recesso dos parlamentares (de 18 a 31 de julho). O período está previsto na Constituição. Conforme determinação da Carta Magna, o Congresso Nacional não pode parar enquanto não aprovar a lei orçamentária do ano seguinte.

Compartilhe
Previous Conselho de Ética arquiva cassação de mandato de João Rodrigues
Next Câmara aprova tabela do frete e anistia multas na paralisação dos caminhoneiros

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

TCU julga contas de 2016 das gestões de Dilma e de Temer

Em um ano atípico, com dois presidentes como gestores — Dilma Rousseff e Michel Temer —, as contas do governo federal de 2016 devem ser aprovadas, com ressalvas, em parecer

Política

“Rui e Wagner são irmãos siameses”, aponta Azi sobre escândalo da Arena Fonte Nova

“As declarações da Polícia Federal são muito incisivas. Dizem até que tem provas sobre corrupção, caixa 2, lavagem de dinheiro. Na verdade, Rui Costa e Wagner são irmãos siameses”, apontou

Notícias

João Gualberto e Jutahy lideram ranking de políticos mais bem avaliados na Bahia

O levantamento feito pelo site politicos.org.br aponta os deputados federais João Gualberto e Jutahy Magalhães Jr (PSDB) como os mais bem avaliados na Bahia nos 3,6 anos de mandato. Entre