Senado aprova projeto que retoma benefício para setor de refrigerante

Senado aprova projeto que retoma benefício para setor de refrigerante

O Senado Federal aprovou projeto de decreto que derruba decisão do governo federal que alterava a alíquota do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) incidente sobre o xarope usado para a produção de refrigerantes. A medida foi uma demanda da bancada do Amazonas por, segundo os parlamentares, afetar empresas instaladas na Zona Franca de Manaus. O projeto segue para apreciação da Câmara dos Deputados.

Em 30 de maio deste ano, o governo editou o Decreto 9.394, que reduzia a alíquota sobre o xarope utilizado na produção de refrigerantes de 20% para 4%. Contudo, a redução tornou a alíquota a mesma cobrada no produto final, a diferença nos percentuais era aproveitada pelas empresas de refrigerante por gerava créditos que eram usados para abater impostos.

O decreto foi uma das medidas adotadas pelo governo para financiar a queda do preço do diesel prometida aos caminhoneiros. A expectativa era arrecadar R$ 740 milhões este ano com a mudança, já que as empresas instaladas na Zona Franca são isentas.

Para reverter a mudança, parlamentares da bancada do Amazonas entraram com duas propostas de projetos de decreto, com o objetivo de defender a manutenção do regime anterior para os fabricantes da Zona Franca. Do outro lado, estavam parlamentares de outros estados em defesa de empresas do mesmo segmento, que reclamam de concorrência desleal.

No projeto de decreto, a autora, senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB – AM), justificou a derrubada da medida do governo pelos prejuízos que trouxe às indústrias de bebidas não alcoólicas, responsáveis por boa parte do faturamento do polo industrial. Na sessão, senadores do estado reclamaram da alteração da carga tributária, o que segundo eles não teria amparo legal. “O decreto é ilegal. Não houve sequer noventena [prazo de pelo menos três meses antes de validade de novo tributo]”, afirmou o senador Omar Aziz (PSD-AM).

A senadora Ana Amélia (PP-RS) criticou o projeto de decreto pelas perdas para as empresas gaúchas. “Embora a legalidade do pleito dos senadores do Amazonas, como senadora do Rio Grande tenho que pensar e defender os interesses do meu estado”, disse.

Ela foi seguida por parlamentares de outros estados. “Elas [empresas da Zona Franca] não pagam imposto e recebem em crédito. No momento em que o governo fecha farmácias populares, vamos dar R$ 7 bilhões de subsídio para a Coca-cola? É um privilégio a grandes empresas”, afirmou o senador Lindberg Farias (PT-RJ).

Compartilhe
Previous Senado aprova aumento de potência para rádios comunitárias
Next Câmara aprova MP que altera Política Nacional de Irrigação

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Bacelar pede reforço na segurança em Alagoinhas

O presidente do Podemos na Bahia, deputado federal Bacelar, esteve na quinta-feira (19) com o governador Rui Costa, para discutir a falta de vagas na carceragem da delegacia de Alagoinhas.

Política

Temer monta estratégia para tentar barrar provável acusação de Janot

Após o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a confirmação do prognóstico de absolvição de Michel Temer (PMDB), o governo vai investir no preparo de sua base. O objetivo

Política

ACM Neto fala sobre prisão de Lula; ASSISTA

Durante cerimônia de posse dos 100 conselheiros tutelares na noite desta quinta-feira(05), o prefeito ACM Neto(DEM), comentou sobre a decisão do juiz Sérgio Moro de mandar prender o ex-presidente Lula.