Justiça nega liminares de MPF, MPE e IAB contra o BRT

Justiça nega liminares de MPF, MPE e IAB contra o BRT

A juíza federal Cíntia de Araújo Lima Lopes, da 14ª Vara da Seção Judiciária da Bahia, indeferiu os pedidos de liminares para a suspensão das obras do BRT e a nulidade do edital de licitação feitos nas ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Federal e Estadual, e Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento Bahia (IAB-Bahia).

Em sua decisão, publicada na noite desta terça-feira, a magistrada nega as liminares, alegando que “os argumentos angariados pelo município são suficientemente relevantes para caracterizar o periculum in mora inverso, consubstanciado, em suma, em dano ao tesouro municipal e aos interesses e direitos públicos envolvidos, a serem definitivamente custeados pela população tanto em recursos do erário quanto em negação de serviços públicos essenciais, como é a mobilidade urbana, na cidade de Salvador, e que seria impossível reverter o provimento antecipado, sem que daí adviessem prejuízos de grande monta ao município, com a eventual sustação do ajuste celebrado”.

Compartilhe
Previous PF investiga publicações com ameaças a Moro em rede social
Next MPF recorre contra absolvição de Geddel por obstruir investigações

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Galo destaca popularidade de Rui e puxa o “Volta Lula” no Bonfim

Na caminhada de 8 km até a Igreja do Bonfim, nesta quinta-feira (11), o deputado estadual Marcelino Galo (PT) puxou o “Volta Lula”, ao lado de militantes, apoiadores e populares

Notícias

Ciro sobre Haddad: Brasil não é um laboratório para o PT

A pós o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indeferir a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, o candidato Ciro Gomes (PDT) voltou a criticar a cúpula do

Política

Justiça bloqueia bens de deputados do PP; tem baiano na lista

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) ampliou para R$ 1,8 bilhão o bloqueio de bens do Partido Progressista (PP) e de seis filiados à legenda. A decisão foi