França e Bélgica fazem hoje duelo técnico e tático em São Petersburgo

França e Bélgica fazem hoje duelo técnico e tático em São Petersburgo

A primeira partida da semifinal terá, nesta terça-feira (10), dois dos times mais regulares desta Copa do Mundo. De um lado estará a França, que venceu todos os jogos e não foi realmente ameaçada no campeonato até agora. Do outro, a Bélgica, que desfilou pela fase de grupos sem nenhum problema, se classificou no sufoco contra o Japão, quando se esperava um jogo fácil. Contra o Brasil, fez uma partida sólida novamente, quando venceu mostrando qualidade técnica e comprometimento tático.

“Foi muito gratificante ver, no jogo contra o Brasil, os jogadores executando meu plano de uma forma tão boa. Eles mostraram muita inteligência e capacidade de adaptação”, disse o treinador da Bélgica, Roberto Martinez, que deverá mostrar uma atuação diferente no jogo contra a França.

O técnico francês Didier Deschamps terá o time todo à disposição, enquanto Martinez não poderá contar com o zagueiro Meunier, suspenso com dois cartões amarelos. Segundo Deschamps, não é só a Bélgica que tem poder de adaptação ao adversário.

“Estaremos prontos e nos adaptaremos à organização belga, seja qual for, em razão da ausência de Meunier. A Bélgica não está aqui por acaso. Eu preparei meus jogadores para diferentes possibilidades e não é só pensando na Bélgica. Eu trabalho nisso, independentemente do adversário”.

Dos dois lados existem craques que podem decidir uma partida. A Bélgica tem Lukaku, Hazard e De Bruyne, jogadores versáteis e habilidosos. Do lado francês, um dos ataques mais badalados desta Copa, há Griezmann, Giroud e Mbappé. E é de Mbappé, o jovem camisa 10 do time, que se espera uma jogada de craque, uma lance que possa desequilibrar a partida.

Coração dividido

Uma curiosidade do confronto é que no banco de reservas da Bélgica estará um dos grandes ídolos do futebol francês. Thierry Henry, campeão do mundo em 1998 e finalista na Copa de 2006, faz parte da comissão de Roberto Martinez como auxiliar técnico.

“É um pouco peculiar vê-lo com o time da Bélgica, mas esta é sua carreira e ele está aprendendo para a futura carreira. Eu acho que seu coração estará dividido [na hora do jogo] porque, antes de tudo, ele é e continua sendo francês”, disse o goleiro Lloris, que jogou com Henry na seleção francesa por duas temporadas.

Compartilhe
Previous Temer escolhe advogado Caio Luiz de Almeida de Mello como ministro do Trabalho
Next Mais dois meninos são resgatados por socorristas da caverna na Tailândia

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Esportes

Vitória empata com Paraná e está eliminado da Copa do Brasil

O que faltou? Sorte? Raça? Qualidade? Agora, pouco importa. A conta chegou e veio salgada. O Vitória pagou um preço alto por ter perdido no jogo de ida, em casa,

Esportes

Vitória derruba mais um fora de casa e deixa zona de rabaixamento: 3×1 no Atlético Mineiro

O Vitória foi até Belo Horizonte e manteve a escrita de não perder fora de casa na era Mancini. Mais que isso, venceu a quarta partida como visitante sob o

Esportes

Tite convoca Seleção Brasileiras para jogos das Eliminatórias

Destaque no último Campeonato Brasileiro e no começo de temporada do Flamengo, Diego terá mais uma chance na seleção brasileira. Depois de participar do amistoso contra a Colômbia, em janeiro,