Senado aprova projeto de Otto Alencar que acaba com cartel e barateia combustíveis

Senado aprova projeto de Otto Alencar que acaba com cartel e barateia combustíveis

O Senado Federal aprovou, nesta terça-feira (19), o Projeto de Decreto Legislativo (PDS 61/2018) do senador Otto Alencar (PSD-BA), que barateia o preço dos combustíveis ao permitir também a venda direta dos produtores de álcool hidratado para os postos de combustíveis. A proposta segue agora para análise da Câmara dos Deputados.

“A finalidade do projeto é defender o consumidor e acabar com o oligopólio ou cartel que não produz, mas tem lucros milionários. Meu compromisso é com o povo brasileiro, que tem que ter acesso a preços dos combustíveis bem menores do que o que os praticados atualmente”, afirmou Otto Alencar.

Segundo ele, o projeto beneficia o consumidor e os produtores de etanol explorados por credenciados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. (ANP). “Tem de haver concorrência”, considerou.

Otto Alencar disse que nenhuma empresa credenciada pela ANP vai deixar de distribuir. “Elas vão continuar distribuindo. O que o projeto faz é dar oportunidade para que surjam outras maneiras de distribuição, inclusive no Nordeste, para distribuir em igualdade de condição e, com isso, aumentar a competitividade e baixar o preço do álcool hidratado”, explicou.

Hoje, o etanol sai a R$1,57 da usina e é vendido a R$3,50 na bomba de combustível. “Isto ocorre porque há distribuidoras que dominam o oligopólio”, disse o senador.

A venda direta, avaliou Otto Alencar, proporcionaria uma redução no preço final ao consumidor que pode variar de 20% a 30%. O texto do PDS suprime o Artigo 6º da Resolução 43, de 22 de dezembro de 2009 da ANP.

A comercialização de etanol, conforme determinado na resolução, segue critérios que impedem a venda direta do produto pelas destilarias. Pela resolução, só as distribuidoras autorizadas podem comercializar álcool combustível.

Otto Alencar disse que a recente crise institucional, causada pelas paralisações de caminhoneiros contra a alta no preço dos combustíveis, fez surgir a necessidade da urgente alteração da política de comercialização do setor.  “A limitação imposta pela ANP produz ineficiências econômicas ao impedir o livre comércio por meio da venda direta entre produtores de etanol e postos de abastecimento”, salientou.
Ao sustar a proibição, explicou o senador, cria-se a alternativa dos fornecedores adquirirem o etanol, tanto das distribuidoras, quanto das usinas e das destilarias, incrementando a concorrência do mercado de combustíveis e, consequentemente, a redução no preço do produto para o consumidor final.

Compartilhe
Previous Líder da Oposição questiona concentração de investimentos do governo em áreas com maior renda per capita no estado
Next Com aval de Lucio Vieira Lima, Ministério destina quase R$700 mil para cidades baianas

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

No Twitter, Bolsonaro agradece apoio de manifestantes

O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, usou sua conta no Twitter para agradecer os manifestantes que o apoiam neste domingo (30/09). “Obrigado São Paulo. Obrigado pelas manifestações de

Notícias

Quem recebe auxílio-doença tem até hoje para agendar nova perícia

Termina hoje (21) o prazo para que beneficiários do auxílio-doença convocados pelo Diário Oficial da União procurem o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para agendar nova perícia médica. Os

Política

Moro critica Congresso por não aprovar propostas do MP para combate à corrupção

O juiz federal Sérgio Moro criticou o Congresso pela não aprovação das propostas do Ministério Público para o combate à corrupção. Moro participou, neste sábado, da “Brazil Conference at Harvard