Deputados adiam votação do parecer sobre teto do funcionalismo

Deputados adiam votação do parecer sobre teto do funcionalismo

A comissão especial da Câmara que iria analisar nesta terça-feira(12) o projeto de lei que regulamenta o teto remuneratório do funcionalismo público foi adiada.

A sessão foi suspensa depois dos deputados terem pedido a visita coletiva ao texto e ao substitutivo ao projeto antes do deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) ler o parecer do texto.

Com o pedido, uma nova data para a votação deve ser marcada. Bueno, o relator do projeto, apresentou o parecer na tarde de ontem (11), o documento prevê uma economia de pelo menos R$ 2,3 bilhões com o fim dos penduricalhos.

Os deputados Joaquim Passarinho (PSD-PA), Laerte Bessa (PR-DF) e Alberto Fraga (DEM-DF), integrantes da Frente Parlamentar da Segurança Pública e contrários à lei do teto de salários, estão entre os parlamentares que requisitaram a visita.

O líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), também pediu visita e solicitou que o texto tenha mais do que as duas sessões mínimas regimentais para ser discutido.

De acordo com o presidente da Comissão, Benito Gama (PTB -BA), o texto deve retornar à pauta daqui a duas sessões plenárias.

Compartilhe
Previous Limite de pontos na CNH pode subir de 20 para 40
Next Rui Costa diz que sua chapa à reeleição vai levar em conta cenário local

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Vividos, engajados, politizados e filiados; saiba qual faixa etária tem esse perfil

Em um momento em que se discute a renovação não só na forma de se fazer política, mas na ânsia da sociedade pelo surgimento de novas lideranças, impressiona a quantidade

Notícias

Aposentados e pensionistas do INSS têm até dia 28 para comprovar vida

Aposentados e pensionistas que ainda não comprovaram ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que estão vivos têm até o próximo dia 28 para fazer o procedimento no banco em

Cotidiano

É mole? Cansado de ser traído, homem faz boletim de ocorrência contra a mulher

Um morador de Cáceres, cidade a 220 km de Cuiabá (MT), cansado de ser traído, decidiu tomar uma decisão pra lá de inesperada: foi à delegacia e registrou, na última