Deputados adiam votação do parecer sobre teto do funcionalismo

Deputados adiam votação do parecer sobre teto do funcionalismo

A comissão especial da Câmara que iria analisar nesta terça-feira(12) o projeto de lei que regulamenta o teto remuneratório do funcionalismo público foi adiada.

A sessão foi suspensa depois dos deputados terem pedido a visita coletiva ao texto e ao substitutivo ao projeto antes do deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) ler o parecer do texto.

Com o pedido, uma nova data para a votação deve ser marcada. Bueno, o relator do projeto, apresentou o parecer na tarde de ontem (11), o documento prevê uma economia de pelo menos R$ 2,3 bilhões com o fim dos penduricalhos.

Os deputados Joaquim Passarinho (PSD-PA), Laerte Bessa (PR-DF) e Alberto Fraga (DEM-DF), integrantes da Frente Parlamentar da Segurança Pública e contrários à lei do teto de salários, estão entre os parlamentares que requisitaram a visita.

O líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão (MT), também pediu visita e solicitou que o texto tenha mais do que as duas sessões mínimas regimentais para ser discutido.

De acordo com o presidente da Comissão, Benito Gama (PTB -BA), o texto deve retornar à pauta daqui a duas sessões plenárias.

Compartilhe
Previous Limite de pontos na CNH pode subir de 20 para 40
Next Rui Costa diz que sua chapa à reeleição vai levar em conta cenário local

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Prefeitura investe R$1,5 milhão em obras de encostas em Macaúbas

Depois da realização do Morar Melhor, que ajudou a melhorar a qualidade de vida de 200 famílias com a reforma das residências onde viviam em situação precária, o bairro de

Política

CCT aprova projeto de Otto Alencar que permite ampliação da banda larga com recursos do Fust

A Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação, Inovação e Informática (CCT) aprovou, nesta quarta-feira (23/8), o projeto de lei 125/2017, de autoria do senador Otto Alencar (PSD-BA), presidente do colegiado. A

Notícias

Leilão de blocos de petróleo pode render R$ 100 bi

O governo quer cobrar R$ 100 bilhões em bônus de outorga das empresas que disputarem o leilão de seis blocos cedidos à Petrobrás em 2010 na Bacia de Santos. O