Audiência pública debate a redefinição do porte das escolas públicas

Audiência pública debate a redefinição do porte das escolas públicas

Parlamentares, gestores escolares e representantes da Secretaria Estadual de Educação debateram nesta terça-feira, 12, na Assembleia Legislativa da Bahia, a “Requalificação do porte das escolas públicas estaduais e suas consequências”.  A audiência pública foi realizada na Sala José Amando, no âmbito da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia e Serviços Públicos da Alba.

“O mais importante é abrir o diálogo com o Executivo tendo como ferramenta o Legislativo, que precisa compreender exatamente qual é o impacto da mudança do porte das escolas”, declarou a deputada estadual Fabíola Mansur (PSB), presidente do colegiado.

Compuseram a mesa os deputados Bira Coroa e Rosemberg Pinto, ambos do PT, Ana Margarida Catapano, superintendente de Recursos Humanos da SEC; Ricardo Monteiro, representante do Fórum de Gestores Escolares; Claudemir Nonato e José Lucas Sobrinho, da APLB-Sindicato; e Luis Henrique, do Núcleo Territorial da Educação (NTE-26).

O encontro foi solicitado pelo Fórum de Gestores Escolares, que alerta para a necessidade emergencial de revisão dos parâmetros atuais para a definição do porte das escolas, que determina não somente os recursos, mas o número de funcionários e a quantidade de vice-diretores que a escola tem direito.

“O presente modelo não contempla as necessidades e compromete o fazer pedagógico. Sugerimos que além da quantidade de alunos matriculados sejam considerados outros critérios para a definição do porte das escolas, como os programas e projetos atendidos no contraturno, a diversidade de modalidades atendidas e dimensão predial e áreas externas da estrutura física”, propôs Ricardo Monteiro, do Fórum de Gestores Escolares.

“Educação não se faz com economia de palito, o modelo de fazer mais com menos precisa ser sepultado pois ele não traz prejuízo somente para a escola, mas para a educação como um todo”, criticou o professor Claudemir Nonato.

O Fórum de Gestores também critica os valores repassados pela SEC para as unidades de ensino. “Uma escola de porte médio (501 a 1.400 alunos) recebe R$ 8.000 por ano dividido em quatro parcelas para custeio de todas as despesas com insumos”, relatou Flavia Carvalho, gestora do colégio Filadelfia, da Vila Canária.

A própria tipologia de escolas por quantidade de estudantes é questionada pelos gestores, que propõem uma redução da tabela atual a parâmetros mais condizentes com a atualidade. (vide tabela abaixo)

“Quando eu estudava da rede pública era comum que o Colégio Central, ICEIA e Severino Viera recebessem alunos de todos os cantos da cidade e do Estado, mas hoje a realidade é outra, a escola chegou à periferia e essa escola que chega mais perto do aluno precisa ser valorizada”, anuiu o deputado estadual Bira Coroa.

“Temos um novo aluno e uma nova sociedade e a Secretaria de Educação precisa ouvir quem tá no chão da escola”, defendeu o deputado Rosemberg Pinto.

Segundo Ana Margarida Catapano, a SEC reconhece a necessidade de mudanças no Estatuto da Magistratura, Instituído pela Lei 8261 de 29 de maio de 2002, e que em seus anexos 5 e 6 rege o porte das escolas e a carga horária dos vice-diretores.

“Não somente o porte, mas outros aspectos estão sendo discutidos na Secretaria de Educação para a atualização desta lei, já que pouca coisa permanece do jeito que era nesses 16 anos que a lei está em vigor”, pontuou. “Se o problema é a lei, vamos tratar da lei pois a questão do porte não é a única que carece de atualização”, arrematou Luiz Henrique, do NTE-26.

A deputada Fabíola Mansur pontuou que não cabe à Assembleia Legislativa a alteração do Estatuto, que depende de um projeto de lei do Executivo para tal. Acolhendo sugestão da plenária, Fabíola defendeu um acordo com a SEC para o acolhimento emergencial das demandas trazidas pelo Fórum de Gestores Escolares. Para tanto, será nomeado um Grupo de Trabalho formado pelos três deputados presentes, três representantes do Fórum e um da APLB-Sindicato que solicitará uma audiência com o Secretário de Educação Walter Pinheiro para tratar do assunto.

Revelando-se emocionada com o quadro de dificuldades e de superações relatado ao longo da sessão, Fabíola elogiou a mobilização do Fórum de Gestores e reafirmou seu compromisso com a educação pública de qualidade. “Se hoje nós temos essa situação de violência contra as mulheres, os negros, indígenas e contra o povo da periferia é porque nós ainda não temos a escola que nós precisamos e merecemos que é a escola preconizada por Anísio Teixeira, a verdadeira máquina de fazer democracia. E se ainda não temos essa escola não é por falta de professores e gestores escolares comprometidos, mas porque a sociedade não deu a vocês as condições de realizar esse trabalho”, finalizou Fabíola Mansur.

Compartilhe
Previous Indiana decide boicotar campeonato de xadrez no Irã pela obrigação do uso do véu
Next OAB-BA vai acionar CNJ sobre novas vagas de desembargador

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Mulher de 22 anos é morta pelos próprios cães durante passeio nos EUA

Uma mulher de 22 anos morreu atacada pelos próprios cães, da raça pit bull, enquanto passeava com eles por um bosque no condado de Goochland, no estado americano da Virgínia.

Política

‘Não cabe ao Estado dar com uma mão e tirar com a outra’, diz Toffoli

O ministro Dias Toffli, do Supremo Tribunal Federal, avalia que o acordo de colaboração premiada “é meio de obtenção de prova”. Ao votar como seus pares que o antecederam no

Política

Senado paga despesas da Casa da Dinda para Collor

A Casa da Dinda, um dos principais símbolos do governo do ex-presidente Fernando Collor, tem atualmente despesas mantidas com verba do Senado, passados 25 anos de seu processo de impeachment.