Alckmin sobre aliança com DEM: “É tudo que queremos”

Alckmin sobre aliança com DEM: “É tudo que queremos”

O ex-governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, reiterou nesta quarta-feira (13/6) a intenção de ter o DEM em seu arco de alianças para a eleição deste ano. “É tudo que queremos”, disse quando questionado sobre o andamento das negociações com o partido do também presidenciável Rodrigo Maia.

“Enquanto tiver candidato, nós respeitamos. Mas se pudermos estar junto lá na frente, é tudo que queremos”, declarou o presidenciável após participar de um congresso de prefeitos organizado pela Federação Catarinense de Municípios (Fecam). Além dele, aceitaram o convite para participar do evento Ciro Gomes (PDT), Henrique Meirelles (MDB), João Amoedo (Novo), Aldo Rebelo (SD) e João Vicente Goulart (PPL).

O tucano, que enfrenta um clima de descrença sobre sua viabilidade eleitoral entre aliados e membros do próprio partido, minimizou atritos com lideranças do PSDB. “Está muito bem (a situação com o PSDB). Aliás o Fernando Henrique Cardoso está nos ajudando muito até nessas articulações com os outros partidos”, disse, acrescentando que quatro legendas já estão com acordos encaminhados.
Alckmin frisou, no entanto, que a legislação mudou e os anúncios devem ser feitos apenas no final de julho. “Esse período agora é para percorrer o Brasil, ouvir, conhecer e sentir os problemas ”

O tucano também minimizou os resultados das últimas pesquisas de intenção de voto e deu como exemplo a eleição para o governo de Tocantins, no mês passado. “Há dez dias das eleições, quem estava em primeiro era o ex-prefeito de Palmas e, em segundo, a senadora Katia Abreu. Nenhum dos dois foi para o segundo turno. Então a eleição começa mesmo depois que souber quem são os candidatos”, argumentou.

Compartilhe
Previous Geddel esteve em local onde propina foi entregue, diz Polícia Federal
Next Maia defende combate a fake news com cuidado para evitar censura

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

PF quer mais 60 dias para investigar Temer

A Polícia Federal quer mais 60 dias para concluir o inquérito envolvendo o presidente Michel Temer (MDB) e os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e das Minas e Energia,

Política

Congresso quer legalizar jogo para fundo de segurança que já existe

Enquanto o Senado discute a criação de um Fundo Nacional de Desenvolvimento da Segurança Pública (FNDSP) dentro do pacote de combate à violência em debate no Congresso, uma outra rubrica

Notícias

Preferência é pelo PSB, diz Cid Gomes

O ex-governador do Ceará Cid Gomes, coordenador político da campanha do irmão Ciro Gomes ao Planalto, afirmou nesta segunda-feira, 11, que a prioridade do pré-candidato do PDT é fechar aliança