Miguel Cordeiro expõe “Primavera Burlesque” em Salvador

Miguel Cordeiro expõe “Primavera Burlesque” em Salvador

Artista plástico baiano celebra a Primavera Burlesque, com 50 obras em uma metáfora sobre a ironia do olhar, por meio de cores quentes, vivas e puras. A expô faz parte do centenário do Museu de Arte da Bahia e fica exposta no salão principal até o dia 03 de junho, com visitação gratuita.

“Essa exposição reúne um trabalho que eu venho desenvolvendo desde 2015 e tem uma temática luminosa, no sentido da renovação da criação da arte. Ter um desafio para recomeçar e buscar uma nova abordagem”, explicou Miguel que não se prende a uma técnica específica, mas explora diversos materiais como pintura acrílica, spray e colagens que interagem com o próprio desenho.

A Primavera Burlesque de Miguel Cordeiro
A Primavera Burlesque de Miguel Cordeiro. Foto: Arquivo Pessoal

Miguel Cordeiro despertou para a arte ainda na adolescência, quando percebeu o sua aptidão e, ao experimentar novos conceitos, foi se aprofundando cada vez mais. As famosas ilustrações do norte-americano Rick Griffin, na Revista Surfer e do John Severson serviram de inspiração para a mente criativa do artista baiano.

Somada à sua atitude, a pegada underground se deu mesmo com o seu personagem Faustino. Grafitado nos muros da cidade e aguçando o imaginário das pessoas. As frases abordavam comportamentos do cotidiano da época, tais como: “Faustino usa escovinha pata pata”, ou, “Faustino rouba miudezas nas Americanas”.

Miguel Cordeiro artista plástico baiano
O seu mais famoso personagem. Foto: Arquivo Pessoal

“A arte é uma antena, onde você captura o que está acontecendo a sua volta de você e vai processando isso, através da criação. Eu achava que a criação era uma coisa linear e não é. Na verdade é multifacetada, ela vai se afunilando até ganhar uma cara”.

“O Faustino foi um personagem que eu criei e que, na verdade, era uma grande curtição. As pessoas ainda me perguntam, qual é a razão daquilo, por exemplo. Elas tentam compreender o personagem como algo racional, quando na realidade não tinha nada disso. Era uma curtição até com a cafonice, conectado com os comportamentos da sociedade. É claro que eu não me identificava com o faustino , era tudo o que eu não queria ser. Mas em certos momentos nós acabamos nos pegando fazendo algo bem típico do personagem”, explicou.

Miguel Cordeiro expõe no MAB
Uma metáfora sobre a ironia do olhar. Foto: Arquivo Pessoal

Grafite

Segundo Miguel, o grafite mudou muito com o passar dos anos passando por certas fases. Durante o final da década de ’70, por exemplo, havia um componente marginal. Mas, que começou a ser aceito por uma questão do tempo, que consegue captar o que se passa na cabeça da sociedade. E, atualmente, se tornou uma tendência da  arte, algo que já é aceito na grande mídia, nas galerias e nos museus.

Miguel Cordeiro e sua Primavera Burlesque
A Primavera Burlesque de Miguel Cordeiro. Foto: Arquivo Pessoal

“Eu compreendo que em muitas dessas manifestações atuais o espírito do grafite desapareceu, pois o que nós temos hoje é muito do muralismo. Naquela época, havia um risco e hoje em dia tem a questão de pedir autorização. É claro que há uma censura do poder público ou auto censura do próprio grafiteiro , por isso ele vai fazer uma coisa que digamos “mais agradável”. O que não desmerece o grafite atual do muralismo. Eu acho que tem coisas legais e outras nem tanto, como em tudo. Prefiro mesmo uma vertente mais underground com traços mais toscos e mais primitivo do que o grafite muito bonitinho”, comentou.

Miguel Cordeiro expõe em Salvador
Encarte do álbum Duplo Sentido, com ilustrações de Miguel Cordeiro. Foto: Reprodução

Rock’n’Roll

Entre os pilares que realmente influenciam seu processo de criação está o surfe e o rock’n’roll na sua essência, segundo Miguel. Além disso, a arte pop, a arte contemporânea do pós segunda guerra e a arte moderna do início do século XX são suas principais fontes de inspiração.

“Fiz muita coisa com o Camisa de Vênus, o Marcelo Nova se tornou um grande amigo meu e acabei ilustrando duas capas de discos (Duplo Sentido 1987 e Dançando na Lua 2016). Bem como folhetos, fanzines com textos meus, fanzines para a banda e compus a letra de Simca Chambord”, disse Miguel que também tem sua própria banda de rock, a Coiotes.

A Primavera Burlesque de Miguel Cordeiro
Primavera Burlesque. Foto: Arquivo Pessoal

Arte

A mente criativa de Miguel Cordeiro não segue uma ordem linear de construção. Após os primeiros traços de um desenho seu olhar flutua a partir de uma imagem, que logo começa a tomar forma. Seja um foto em uma revista, uma frase que lê nas ruas, no jornal. “A partir daí vou processando e criando em várias frentes. A criação se dá em cinco, seis quadros ao mesmo tempo. Daí eu recorto um desenho e já passo para outro quadro que estava começando. É bem caótico, pelo lado mais positivo”, explica.

Miguel Cordeiro retrata o surfe
O seu olhar sobre o surfe. Foto: Arquivo Pessoal

Surfe

O surfe encontrou Miguel ainda na adolescência e sempre foi a sua grande paixão. embora um problema na retina o tenha tirado do outside. “O surfe é uma expansão da mente e estar em contato com o mar é uma libertação, uma coisa mágica. E quando era garoto, costumava desenhar o mar na sua perfeição, cenários e aquele imaginário que só existe em sonhos”, lembrou o artista que tem surfe, rock e a contracultura nas veias.

“A arte é uma antena, onde você captura o que está acontecendo a sua volta de você e vai processando isso, através da criação. Eu achava que a criação era uma coisa linear e não é. Na verdade é multifacetada, ela vai se afunilando até ganhar uma cara”, concluiu.

Miguel Cordeiro expõe Primavera Burlesque
O surfe pela ótica de Miguel Cordeiro. Foto: Arquivo Pessoal
Compartilhe
Previous PF cumpre mandados na Câmara e no Ministério do Trabalho contra fraude
Next Camaçari: Prefeitura articula ações estratégicas para o São João

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Entretenimento

Sambista Arlindo Cruz continua internado em estado grave

O sambista Arlindo Cruz permanece internado no centro de tratamento intensivo (CTI) da Casa de Saúde São José, no Humaitá, na zona sul do Rio de Janeiro. Segundo boletim médico

Entretenimento

Carnaval de Salvador: Afros e afoxés reafirmam as tradições do povo negro no circuito Osmar

São mais de 40 anos trazendo o som de atabaques e tambores para as avenidas que compõem os circuitos carnavalescos de Salvador. Aliando músicas, arranjos e indumentárias que reforçam as

Política

Rui anuncia BaianaSystem em três dias no Carnaval

A BaianaSystem vai desfilar sem cordas em Salvador, como parte da programação do Governo do Estado, durante o Carnaval. O anúncio foi realizado pelo governador Rui Costa, por meio das