Celso: ‘O Brasil não pode ficar refém dos caminhoneiros’

Celso: ‘O Brasil não pode ficar refém dos caminhoneiros’

Enquanto a população sofre com os efeitos da paralisação de caminhoneiros, o decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, disse em entrevista ao O Estado de S.Paulo que o Brasil não pode “tornar-se refém de qualquer categoria profissional”.

“Os danos ao interesse público que resultam desses atos de paralisação são extremamente graves e, portanto, não podem ser admitidos. Em síntese, é isso o que eu penso dessa séria situação em que se envolve o País”, afirmou o ministro à reportagem.

Na sessão do STF da última quinta-feira (24), Celso de Mello comentou reservadamente os efeitos da greve com o ministro Gilmar Mendes. O áudio da conversa privada dos dois foi captado durante a transmissão da TV Justiça.

“Que crise, hein? Guiomar (mulher de Gilmar Mendes) está na rua agora, cara, diz que está impossível de…”, disse Gilmar Mendes ao colega.

Celso de Mello respondeu: “É um absurdo. Quer dizer, faz-nos reféns. Tudo bem que eles possam até ter razão aqui ou ali, mas isso é um absurdo. Minha filha está vindo de São Paulo para cá e diz que está tudo…”.

Nesta sexta-feira, 25, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a paralisação é uma ameaça à segurança pública que deve ser repudiada e censurada pelo governo federal.

“Temos hoje uma efetiva ameaça à segurança pública e me parece que isso precisa ser claramente repudiado. Um protesto, em princípio, pode ser legítimo. Agora, a paralisação de rodovias, a interrupção, a ameaça à circulação de ir e vir das pessoas é obviamente ilegal e o governo tem que reprimir isso com toda a ênfase e usar também do aparato à disposição, a Procuradoria, a Justiça para que isso não ocorra”, disse o ministro.

Código. Procurado pela reportagem sobre as declarações, Celso disse que não ficou chateado com o “vazamento” da conversa privada. “Não, não, pelo contrário, aquilo que eu falei brevemente é isso que eu já lhe disse”, comentou.

O ministro relembrou que o Código de Trânsito Brasileiro pune como infração gravíssima o ato de alguém usar qualquer veículo para deliberadamente interromper, restringir ou perturbar a circulação rodoviária. “Essa regra legal consta expressamente do artigo 253-A do Código de Trânsito Brasileiro”, explicou Celso, ao destacar um dispositivo introduzido em lei sancionada pela então presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016.

“Ninguém pode, a pretexto de satisfazer ou de reivindicar pretensão, ainda que legítima, valer-se de meios que se mostram proibidos pela legislação da República”, frisou o decano.

Na avaliação de Celso de Mello, o interesse social da República está seriamente comprometido por ações que não encontram suporte na nossa legislação. “Isso é inadmissível. Nada impede que as reivindicações se façam por outros meios pelos canais institucionalizados do nosso sistema jurídico e político”, observou.

Efeitos. O ministro disse que ainda não sentiu na pele os efeitos da paralisação nem teve notícias de algum funcionário do gabinete prejudicado diretamente com a greve em Brasília, formaram-se longas filas em postos de gasolina. E a filha que estava vindo de São Paulo?, indaga a reportagem, remetendo à conversa reservada entre o decano e o colega Gilmar Mendes no plenário do STF.

“Ela mandou uma nota, dizendo que já chegou a Congonhas, na expectativa de que o voo não seja cancelado”, respondeu o ministro.

Compartilhe
Previous Temer decreta Garantia da Lei e da Ordem em todo país até 4 de junho
Next Trump diz no Twitter que cúpula com Kim Jong-un pode acontecer

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Justiça Eleitoral quer permitir auditoria nas urnas no dia da votação

Para aumentar a confiança da sociedade na segurança das urnas eletrônicas, a Justiça Eleitoral deve permitir uma nova auditoria nas máquinas, além das que já existem. A ideia é auditar

Política

Heber afirma que Rui Costa destrói a Agência de Defesa Agropecuária da Bahia com nomeações políticas

Membro efetivo da Comissão de Agricultura e Política Rural da assembléia Legislativa, o deputado Heber Santana (PSC) afirma que o governador Rui Costa está destruindo a Agência de Defesa Agropecuária

Notícias

Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE

A produção industrial brasileira encerrou o mês de agosto com queda de 0,8%, frente a julho, na série com ajuste sazonal, mas fechou os primeiros oito meses do ano (janeiro-agosto)