Barroso pede vista em julgamento sobre bloqueio de bens de Aécio

Barroso pede vista em julgamento sobre bloqueio de bens de Aécio

Seis meses após recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou e, em seguida, interrompeu o julgamento de um pedido de bloqueio de bens (arresto) do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e Andrea Neves, irmã do tucano, no valor de R$ 5,686 milhões. Um pedido de vista do ministro Luís Roberto Barroso suspendeu a análise após o ministro relator, Marco Aurélio Mello, que já havia rejeitado o primeiro pedido, votar novamente em sentido contrário.

Apresentado em dezembro de 2017 em segredo de justiça, o recurso da PGR é relacionado ao processo no qual ambos são réus e tem o objetivo de garantir os recursos para a reparação de “dano moral coletivo” pela prática de corrupção passiva e o pagamento de multa. Essas sanções são pedidas pela PGR para aplicação aos dois no fim da ação penal em que respondem por supostamente terem solicitado e recebido R$ 2 milhões em propina pagos por Joesley Batista, do Grupo J&F. O senador também é acusado de tentar obstruir investigações da Operação Lava Jato.

Embora a PGR não tenha falado no julgamento na Primeira Turma, os valores que ela informou em dezembro, quando apresentou o recurso, são de R$ 4 milhões a serem divididos por Andreia Neves e Aécio Neves, mais uma multa de R$ 1,686 milhão para cada um – o que totalizaria cerca de R$ 7,4 milhões. No julgamento, no entanto, o ministro Marco Aurélio e os advogados falaram que o valor total seria de 5,686 milhões. A PGR não confirmou os valores.

“O órgão acusador recuou aquele montante dos R$ 7 milhões para R$ 5 milhões e qualquer coisa. O quadro não se altera. Inexistem indicativo de que Aécio Neves e Andreia Neves estejam praticando atos destinados a obstar o ressarcimento”, disse o relator Marco Aurélio.

Em seguida ao voto do relator, Barroso pediu vista, sem tecer maiores comentários.

Defensor de Andréa Neves, o advogado Marcelo Leonardo questionou por que os outros réus do processo não foram alvo do pedido, e afirmou que, como não há suspeita de envolvimento de recursos públicos no caso, não haveria razão para aplicação de multa.

Defesa
O advogado Alberto Zacharias Toron, defensor do senador Aécio Neves, afirmou que não há uma consequência automática para arresto de bens de acusados quando eles se tornam réus e disse que não cabia ao MPF fazer esse pedido, e sim à Advocacia-Geral da União (AGU). Disse também que o valor pedido foi fixado “aleatoriamente” e de maneira “arbitrária”.

“Daí se esperar com absoluta tranquilidade a confirmação da decisão agravada, que nada mais faz do que entender que não há necessidade porque não há evidência de que o acusado esteja dissipando bens”, disse o advogado de Aécio.

Compartilhe
Previous Projeto de Lei do deputado Roberto Carlos prevê a redução do consumo de sal
Next Termina hoje prazo para pagar taxa de inscrição do Enem

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Acompanhe ao vivo: Lewandowski vota a favor de habeas corpus para evitar prisão de Lula

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski votou há pouco a favor da concessão de habeas corpus preventivo para evitar a execução provisória da condenação do ex-presidente Luiz

Política

Bolsonaro defende autonomia política do BC e fim da reeleição

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, defendeu hoje (20) a autonomia política do Banco Central (BC) e a manutenção de um tripé macroeconômico no país. Ele

Municípios

Jaguaquara: Após denúncia anônima, Polícia Militar prende suspeito de tráfico de drogas na Muritiba

A Polícia Militar através da 3ª Cia deteve em Jaguaquara um suspeito de tráfico de entorpecente. Policiais militares receberam denúncia anônima, nesta quarta-feira (33), de que nas imediações da Rua