STF suspende julgamento de primeira ação da Lava Jato na Corte

STF suspende julgamento de primeira ação da Lava Jato na Corte

Após mais de seis horas de sessão, a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta terça-feira (15/5) o julgamento da primeira ação penal contra um político com foro privilegiado no âmbito da Operação Lava Jato. O Supremo retomará na próxima terça (22) a análise da denúncia contra o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR), acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Na sessão desta terça, os ministros concluíram a leitura do relatório e as sustentações orais e iniciaram a análise de seis pedidos preliminares da defesa. O relator do caso, ministro Edson Fachin, defendeu o indeferimento de todas. Na próxima semana, o julgamento deve seguir com os votos dos outros integrantes da turma sobre as solicitações dos advogados.

O parlamentar é apontado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), assim como seus dois filhos, Nelson Meurer Júnior e Cristiano Augusto Meurer, como destinatário de R$ 357,9 milhões em recursos desviados de contratos de empreiteiras com a Petrobras entre os anos de 2006 e 2014. Segundo a denúncia, Meurer era o integrante da cúpula do Partido Progressista (PP) responsável pela indicação e manutenção de Paulo Roberto Costa na Diretoria de Abastecimento da estatal.
Caberá aos cinco ministros que compõem a 2ª Turma – Edson Fachin, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Ricardo Lewandowski – decidirem se o parlamentar deverá ser condenado ou absolvido pelos crimes. O político nega as acusações.

Ressarcimento
Em sua sustentação oral durante o julgamento, a sub-procuradora-geral da República Cláudia Sampaio argumentou que Meurer agiu dolosamente dando sustentação e apoio ao esquema de corrupção envolvendo partidos políticos, a Petrobras e o cartel de empreiteiras. Ela citou repasses mensais e outros extraordinários feitos ao deputado. “A atividade parlamentar foi deturpada e fizeram mercancia de suas funções”, disse.

A Petrobras, assistente da acusação na ação penal, reivindicou a devolução de pelo menos R$ 34,2 milhões à estatal. Segundo o advogado da empresa, André Tostes, esse seria a soma aproximada de recursos desviados para o parlamentar. “Os recursos da Petrobras foram a fonte do dinheiro que proporcionou aos réus uma verdadeira fortuna constituída”, disse.

O defensor afirmou ainda que a Petrobras já respondeu a mais de 850 pedidos de informação realizados no âmbito Lava Jato.

Expressividade
A defesa do parlamentar afirmou que o Ministério Público não conseguiu provar o curso do suposto dinheiro desviado. Alexandre Jobim, advogado de Meurer, destacou ainda o caráter histórico do julgamento, o primeiro da Lava Jato na Corte. “É importante lembrar que não estamos discutindo os problemas dos fatos da operação Lava Jato e os prejuízos causados ao erário público. O que estamos julgando é qual foi a participação de Nelson Meurer”, disse.

O também defensor Michel Saliba alegou que Meurer não tinha expressividade para figurar entre as principais lideranças do PP e sustentar indicações políticas na Petrobras. “Em 24 anos, seis mandatos, presidiu uma única comissão parlamentar, a de Agricultura, durante um ano. Foi relator de algum projeto importante na Câmara? Não. Foi membro de alguma comissão importante da Câmara? Não”, disse.

Segundo Saliba, o deputado “nunca foi um homem de posses”, “nunca viaja ao exterior” e “dirige o mesmo carro há 15 anos”.

Julgamento
O julgamento da ação penal foi marcado em abril pelo ministro relator do caso na Corte, Edson Fachin, após um pedido da atual procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Na ocasião, a PGR cobrou “prioridade” no caso, alegando “risco de ocorrência de prescrição retroativa”, se Meurer for condenado à pena mínima de dois anos de reclusão pelo crime de corrupção passiva.

Os advogados do parlamentar chegaram a solicitar o adiamento da análise do caso alegando “quórum incompleto”, em função de viagem do ministro Dias Toffoli, que não comparecerá à sessão desta terça (15). O pedido, contudo, foi negado na última sexta (11) por Fachin. Segundo o relator, a defesa não tem o direito de “se insurgir” contra uma específica composição da turma ou do plenário do Supremo, quando o mínimo para julgamento (três de cinco ministros nas turmas) é respeitado.

Denúncia
A PGR defende que Meurer teria praticado corrupção passiva de duas formas. A primeira por permitir que Paulo Roberto Costa executasse o esquema de recebimento de propinas. A segunda, com auxílio dos filhos, ao receber vantagens indevidas também pagas pelas empreiteiras, por intermédio de doleiros, como Alberto Youssef.

A denúncia ainda argumenta que, ao receber os valores em espécie, o deputado e os filhos cometeram o crime de lavagem de dinheiro. De acordo com a acusação, para viabilizar o recebimento dos valores, teriam sido firmados “contratos dissimulados” entre as empresas de Youssef e as construtoras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras.

Compartilhe
Previous Em nota, MPT pede rejeição a projeto que altera lei dos agrotóxicos
Next Coreia do Norte cancela reunião com Sul. Cúpula com Trump sofre ameaça

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Coronel pede a Rui Costa a construção do Hospital do Homem em Salvador

O cuidado com a saúde masculina na capital baiana poderá ganhar um reforço de peso. Presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputado Angelo Coronel (PSD), solicitou ao governador Rui

Notícias

Paulo Azi diz que Rui Costa elegeu o funcionalismo público como inimigo número 1; ASSISTA

Durante cerimônia de diplomação realizada nesta segunda-feira(17), pelo TRE-BA, no Teatro Castro Alves, em Salvador, o deputado federal Paulo Azi(DEM), teceu duras críticas ao governador Rui Costa(PT). Segundo Azi o governador

Política

Defesa de Temer pede que juiz reveja queixa-crime contra Joesley

O advogado Renato Oliveira Ramos, que representa o presidente Michel Temer em uma queixa-crime contra o empresário Joesley Batista, recorreu da decisão do juiz Marcos Vinícius Reis, da 12.ª Vara