“Se o MDB quiser me apoiar eu vou aceitar” diz “Zé do Sertão”

“Se o MDB quiser me apoiar eu vou aceitar” diz “Zé do Sertão”

O pré-candidato ao governo da Bahia, “Zé do Sertão” durante entrevista ao programa Se Liga Bocão, na Itapoan FM, nesta segunda-feira (16), sinalizou interesse em contar com apoio do MDB nas eleições de outubro.

“Eu desejo o apoio do PMDB, ele soma dentro do processo, tem bom horário de televisão. Ao longo da vida aprendi a separar essas coisas, houve problemas dentro do PMDB, mas há história. Sincera e honestamente se o MDB quiser me apoiar eu vou aceitar”, declarou.

“Zé do Sertão” foi na direção contrária a do prefeito de Salvador, quando no lançamento da sua pré-candidatura em Feira de Santana, declarou que “Se depender da minha opinião, o MDB não estará incluído na coligação para o governo do Estado.

Apesar da cobiça ao MDB, devido aos acontecimentos políticos envolvendo membros do partido, “Zé do Sertão” pregou a cautela sobre caminhar ou não com o partido.

“Essa é uma questão que será discutida com os deputados estaduais e federais, será discutida com todo grupo, não vou decidir sozinho. Daqui até julho temos muito tempo para dialogar, será com diálogo não de forma ditatorial”.

Compartilhe
Previous Prefeito de Jandaíra, Adilson Leite se filia ao PSD de Otto
Next Marco Aurélio será relator de denúncia contra Jair Bolsonaro

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Lei está valendo para todos e ninguém está acima dela, diz Raquel Dodge

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou na manhã desta sexta-feira, 16, que “finalmente em uma democracia importante como a nossa, a lei está valendo para todos”. De acordo com

Política

Câmara de Salvador: Lorena defende Hino Nacional nas escolas

A vereadora Lorena Brandão (PSC) defendeu a indicação do Ministério da Educação (MEC), que solicitou às escolas de todo país a execução do Hino Nacional para seus respectivos alunos. A

Política

PT tem dia decisivo: Haddad visita Lula para definir estratégia após impugnação do ex-presidente

Enquanto corre o prazo de 10 dias, imposto pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o PT substituir Luiz Inácio Lula da Silva na chapa à Presidência da República, a estratégia