Lava -Jato impõe multa de R$ 3,6 milhões a Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS

Lava -Jato impõe multa de R$ 3,6 milhões a Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS

Os desembargadores da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negaram recurso do ex-presidente da empreiteira OASJosé Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, e mantiveram a determinação do juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, para que ele efetue o pagamento da multa e das custas processuais. A Corte impôs ao empresário 755 dias-multa, no valor unitário de 5 salários mínimos vigentes ao tempo dos fatos atribuídos ao empresário. Pelo salário mínimo atual (R$ 954), a sanção a Léo Pinheiro chega a R$ 3,6 milhões. O julgamento ocorreu na quarta-feira, 11.

A defesa recorreu ao tribunal alegando que a cobrança das custas e da pena de multa não poderia ser feita em execução provisória de pena e que estas só poderiam ser exigidas depois de esgotadas todas as vias recursais.

A defesa argumentava que os recursos interpostos nas cortes superiores poderiam modificar os valores.

Segundo o juiz federal Nivaldo Brunoni, que substitui o desembargador federal João Pedro Gebran Neto, em férias, na relatoria da Lava Jato no TRF-4, se a liberdade do réu pode ser restringida, também pode ser imposto o cumprimento das sanções pecuniárias.

“Sendo possível a execução provisória da pena privativa de liberdade, não seria razoável entender pela impossibilidade de execução das penas acessórias, incontestavelmente mais brandas do que aquelas”, avalia o magistrado.

Brunoni ressaltou que o Supremo Tribunal Federal vem reconhecendo a possibilidade da execução provisória das penas acessórias. “Importa destacar que o recente posicionamento do STF não traz nenhuma distinção, ao menos expressamente, no que tange à espécie de pena que será provisoriamente executada, mencionando o cumprimento das penas em caráter geral”, destacou o juiz.

Léo Pinheiro já foi condenado três vezes na Operação Lava Jato pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Neste processo, agora em execução, Léo foi réu juntamente com outros executivos da empresa, o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef. A condenação foi confirmada e ampliada pelo tribunal, em novembro de 2016, de 16 anos e 4 meses para 26 anos e 7 meses de reclusão, com 755 dias-multa, no valor unitário de 5 (cinco) salários mínimos vigentes ao tempo dos fatos atribuídos ao empresário.

Quanto às outras duas condenações, uma ocorreu em novembro do ano passado, no processo que envolvia o ex-senador Gim Argello – na qual Léo Pinheiro teve pena de 5 anos e 6 meses de reclusão. Na outra condenação, de janeiro deste ano, a Corte da Lava Jato impôs a Léo no processo do apartamento triplex atribuído ao ex-presidente Lula, uma pena de 3 anos, 6 meses e 20 dias. Léo Pinheiro já cumpre pena e está preso na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba.

A reportagem tentou contato com a defesa de Léo Pinheiro, O espaço está aberto para manifestação.

Compartilhe
Previous Grávida, mulher que cantava sentada em show é morta a tiros por fã
Next Confira a tabela do Brasileirão 2018

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Agências do BB abrirão uma hora mais cedo para saques do Pasep

As pessoas com mais de 70 anos beneficiadas com o saque das cotas do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) poderão ir mais cedo ao Banco do

Economia

Após nova regra do cartão, juros do rotativo caem pela metade

A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito diminuiu 49% em abril ante março, passando de 456,6% para 233,9% ao ano na terceira semana do mês, de acordo

Política

Gilmar Mendes monta força-tarefa anti-fake news

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, formalizou a criação de uma força-tarefa na Corte que vai propor medidas para conter a disseminação de notícias falsas nas