Grávida, mulher que cantava sentada em show é morta a tiros por fã

Grávida, mulher que cantava sentada em show é morta a tiros por fã

Um homem foi preso na província de Sind, no Paquistão, após balear e matar uma cantora grávida durante um show. Samina Sindhu, de 28 anos, se apresentava na festa de um milionário local e teria se recusado a levantar para cantar devido ao peso da barriga, tendo em vista a gravidez de 8 meses. O criminoso, então, disparou.

A polícia da província de Sind informou, segundo a BBC, que o homem detido é o responsável pelo assassinato, ocorrido na noite de terça-feira (10/4). Apesar da prisão, os motivos do crime ainda são desconhecidos.

O mardio de Samina, Ashiq Sammoo, informou às autoridades que, durante a performance da esposa, um homem apontou uma arma para ela e ordenou, “de forma ameaçadora”, que ela se levantasse para cantar. Ao dizer que não podia fazer isso devido à gestação, Samina foi morta.

Shama Junejo, ativista dos direitos humanos, lamentou a morte da artista nas redes sociais e revelou que ela precisou continuar com a carreira mesmo à espera de um filho porque o trabalho era sua única fonte de renda. Muitos músicos também se indignaram com o assassinato.

Compartilhe
Previous Theresa May afirma que não há "alternativa praticável ao uso da força" na Síria
Next Lava -Jato impõe multa de R$ 3,6 milhões a Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Mundo

Em uma semana, jovem ganha duas vezes na loteria

Uma adolescente de 19 anos é, com certeza, uma das pessoas mais sortudas do mundo. Ela ganhou, em uma semana, duas vezes na loteria, totalizando 655,5 mil dólares em prêmio

Mundo

Economia chilena cresce 1,7% em janeiro

A economia chilena cresceu 1,7% em janeiro em relação ao mesmo mês de 2016, ficando acima das expectativas do mercado e impulsionada por um melhor desempenho do comércio e dos

Política

Lula quer que Fachin negue pedido da PGR para mandar investigação a Moro

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu nesta segunda-feira, 23, ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), que não