Fux diz que respeito à jurisprudência mantém a legitimidade de um tribunal

Fux diz que respeito à jurisprudência mantém a legitimidade de um tribunal

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, defendeu hoje (13) que uma corte que não respeita sua jurisprudência perde legitimidade. Fux fez uma palestra no Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, em um evento promovido pela Escola de Magistratura do Estado do Rio de Janeiro (Emerj).

“A Suprema Corte não tem Exército, não tem dinheiro. A Suprema Corte vive da sua legitimação junto ao destinatário das suas decisões. No momento em que um tribunal superior perde a sua legitimação democrática, ele perde o respeito do povo e se instaura a desobediência civil”, destacou Fux, ao citar uma magistrada estrangeira, que, segundo ele, respondeu a jornalistas que um tribunal vive da legitimação de suas decisões.

Antes, Fux afirmou que: “A jurisprudência é o argumento de autoridade. E, para se ter autoridade, tem que se ter respeito. E o tribunal, para gerar o respeito junto à cidadania, tem que em primeiro lugar se respeitar. O tribunal que não se respeita perde a sua legitimação democrática”.A declaração do ministro ocorre no momento em que se debate a revisão da prisão após condenação em segunda instância. Na semana passada, por 6 votos a 5, o STF negou habeas corpus preventivo impetrado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na tenativa de evitar a prisão dele.

Fux afirmou que defendeu esse ponto “em um julgamento recente”. “A jurisprudência tem que ser coerente, tem que ser estável, tem que ser íntegra. Não pode ser casuística, não pode ser lotérica”, acrescentou.

Em outro momento da palestra, Fux avaliou que a Justiça brasileira tem se aproximado da Common Law – em que o direito se desenvolve por meio das decisões dos tribunais, e não somente com base em atos do Legislativo e do Executivo – praticada em países como os Estados Unidos. “A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal hoje é uma jurisprudência consequencialista. Ou seja, nós, ministros, observamos qual será o resultado prático daquela decisão judicial.”

Compartilhe
Previous Cármen Lúcia marca para dia 2 de maio julgamento de foro privilegiado
Next Parceria entre Prefeitura e cervejaria traz show gratuito de Ivete Sangalo na Barra

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Meirelles presta depoimento a Moro como testemunha de Lula na Lava Jato

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, dará depoimento, às 10h30 desta sexta-feira, 10, por meio de videoconferência, ao juiz federal da 13ª Vara de Curitiba, Sérgio Moro. Meirelles foi indicado

Municípios

Rui visita Itacaré e Ubatã e autoriza construção de Centros de Canoagem e novos convênios

Em viagem a Itacaré, no sul da Bahia, o governador Rui Costa autoriza, neste sábado (23), às 9h, a construção do Centro de Treinamento para Canoagem, investimento de R$ 1

Notícias

Carolino: Direitos e deveres da GM agora se transformaram em lei

O regime disciplinar da Guarda Civil Municipal foi sancionada sem vetos pelo prefeito de Salvador, definindo deveres, direitos e tipificando as infrações relacionadas aos agentes no exercício de suas funções.