Mais de 80 mil pessoas fugiram de Ghouta Oriental, diz ONU

Mais de 80 mil pessoas fugiram de Ghouta Oriental, diz ONU

Desde o dia 9 de março, mais de 80 mil pessoas fugiram de Ghouta Oriental, o principal reduto dos opositores ao regime nos arredores de Damasco, capital da Síria, em direção a outras áreas, seja controladas por rebeldes ou em poder das autoridades do país, informou o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha, na sigla em ingês) nesta terça-feira (27/3). A informação é da EFE.

A Ocha destacou num relatório que, após anos de assédio armado e depois do aumento da violência nos dois últimos meses, o progresso do governo sírio em Ghouta Oriental provocou o deslocamento de milhares de pessoas para outras regiões. A maioria saiu através de corredores estabelecidos pelas autoridades e cerca 13 mil pessoas, quase todos combatentes e seus parentes, foram levadas a Idlib no noroeste do país, em virtude de “acordos locais”, segundo o documento.

Os que saíram pelos corredores para pontos nos arredores de Damasco sob o controle do governo, muitos estão divididos entre oito refúgios coletivos. Os deslocados presentes nesses locais não podem sair até passarem por um processo de investigação e demonstrem que têm alguém para apoiá-los. O Ocha ressaltou que, até o momento, cerca de 30 mil pessoas já conseguiram a permissão oficial para sair desses lugares e foram morar com familiares em outras partes.

Quanto à situação dos enviados a Idlib, o escritório da ONU manifestou preocupação com as condições em que se encontram, já que elas estão sendo amparadas em abrigos superlotados. O Ocha afirmou que, antes da chegada desse público, quase 1 milhão de outros deslocados internos já residia em Idlib. Quase toda essa província está em poder da Frente da Libertação do Levante (antiga filial da Al Qaeda na Síria), e de outras facções.

O Ocha afirma desconhecer o número exato de pessoas estão em Ghouta Oriental. Mas acredita-se que até 25 mil pessoas possam estar em áreas que agora estão em poder das forças governamentais.

Atualmente, a única região sitiada é Douma, onde calcula-se a presença de quase 78 mil pessoas, após os acordos fechados entre as partes em conflito em Harasta, Ein Tarma, Kafr Batna e Haza. A agência da ONU apontou que a continuação da violência em Douma segue gerando muitas mortes de civis e uma grave situação humanitária, já que os moradores se refugiam em porões e ficam com acesso limitado a produtos básicos e serviços.

Compartilhe
Previous Dodge denuncia Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução da Justiça
Next Com venda emperrada no Congresso, Eletrobrás registra 5º prejuízo em 6 anos

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Marina Silva e Joaquim Barbosa descartam aliança em eleição

Uma eventual aliança entre a presidenciável da Rede, Marina Silva, e o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que deve acertar sua filiação ao PSB até sexta-feira, 6, está

Notícias

Submarino argentino explodiu em menos de um segundo, diz relatório

O submarino argentino ARA San Juan, que desapareceu no dia 15 de novembro, teria explodido em menos de um segundo e todos os 44 tripulantes morreram de forma instantânea. Os

Notícias

Mercado financeiro eleva estimativa de inflação para 4,40%

A estimativa de instituições financeiras para a inflação este ano subiu pela quarta vez seguida. De acordo com pesquisa do Banco Central (BC), divulgada hoje (8), o Índice Nacional de