Barroso envia carta a Cármen Lúcia negando acusação de Gilmar Mendes

Barroso envia carta a Cármen Lúcia negando acusação de Gilmar Mendes

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviou uma carta à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, afirmando que deixou seu antigo escritório em 27 de junho de 2013, quando nomeado a integrar a Corte.

A carta, enviada após o término da sessão desta quarta-feira, 21, foi uma resposta à fala de Gilmar Mendes que recomendou à presidente que o ministro fechasse seu escritório de advocacia. “Diante da afirmação falsa feita hoje no plenário, venho formalmente comunicar a Vossa Excelência que me desliguei do escritório que integrei, em data anterior à minha posse, e que jamais atuei em processo pro ele patrocinado ou por qualquer dos seus sócios”, disse Barroso.

“A esse propósito, no meu primeiro dia no tribunal – 27 de junho de 2013 – oficiei formalmente à Secretaria Judiciária da Presidência para que não me fosse distribuída ação em que o escritório ou qualquer dos seus sócios atuassem”, acrescentou. Os ministros protagonizaram um intenso bate-boca no plenário do Supremo em sessão que deveria votar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade sobre doações ocultas de campanha eleitoral.

No meio de seu voto, o ministro Gilmar Mendes – que já havia criticado o que considerou uma protelação da ministra Cármen Lúcia em relação à tramitação do pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula – recomeçou a repreender atitudes de ministros da Corte. Mencionou a votação em que a Primeira Turma do STF decidiu que não é crime a interrupção da gravidez até o terceiro mês de gestação, que teve a relatoria de Barroso.

“Ah, agora vou dar uma de esperto e vou conseguir a decisão do aborto. De preferência na Turma com três ministros, aí fazemos um dois a um”, disse Gilmar. Barroso, então, interrompeu Gilmar e afirmou que o ministro é “uma pessoa horrível”. “Me deixe de fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível. Isso não tem nada a ver o que está sendo julgado”, retrucou Barroso.

O ministro continuou: “A vida para Vossa Excelência é ofender as pessoas. Vossa Excelência é uma desonra para todos nós. Vossa Excelência desmoraliza o tribunal. Já ofendeu a presidente (Cármen Lúcia), ofendeu o ministro Fux, e agora me ofende. O senhor é a mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia”, disse Barroso.

Corte de microfones
A presidente Cármen Lúcia anunciou a suspensão da sessão em meio ao bate-boca e o ministro Gilmar Mendes pediu para continuar seu voto. A ministra repetiu que a sessão estava suspensa e Mends rebateu, referindo-se a Barroso: “O senhor deveria fechar seu escritório de advocacia!”

Diante da insistência dos ministros, a presidente Cármen Lúcia cortou o som dos microfones e a sessão foi, finalmente, suspensa. Durante o intervalo, os ministros Edson Fachin, Luiz Fux, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Roberto Barroso, Alexandre Moraes e Marco Aurélio ficaram em conversa no plenário.

Após a interrupção da sessão, Barroso pediu desculpas aos ministros pela discussão. Os colegas tinham um semblante de consternação. “Lamento, lamento”, disse Barroso. Gilmar Mendes, por sua vez, depois de retomada a sessão, voltou a falar nos temas que deram origem ao bate-boca e rebateu termos que lhe foram atribuídos por Barroso.

Compartilhe
Previous TRF-4 julga recurso de Eduardo Cunha no mesmo dia que o de Lula
Next MPF denuncia oito por desvio de cartuchos de impressora no Senado

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Acompanhe ao vivo: STF discute nesta quarta se Fachin será relator da delação da JBS

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julga desde as 14h24 desta quarta-feira (21/6) se o ministro Edson Fachin deve ser o relator da delação ao Grupo J&F. Além disso,

Cotidiano

Apenas uma vítima do naufrágio permanece em UPA de Salvador

Apenas uma vítima do naufrágio na Baía de Todos os Santos segue na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) dos Barris. O quadro de saúde é estável e a alta deve

Notícias

STF rejeita denúncia da PGR contra deputado José Guimarães

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou hoje (18) denúncia protocolada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no ano passado contra o deputado federal José Guimarães (PT-CE) pelos crimes