Alckmin nega acusações que envolvem delações da Odebrecht

Alckmin nega acusações que envolvem delações da Odebrecht

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se defendeu de acusações que envolvem a construtora Odebrecht durante conferência de imprensa para falar sobre o Fórum Econômico Mundial da América Latina. Reportagem do jornal Folha de S.Paulo publicada no último dia 12 afirmou que três empresas da família de Alckmin têm ou tiveram como sede um edifício comercial que pertence ao seu cunhado Adhemar Ribeiro, acusado por delatores da Odebrecht de ter recebido dinheiro de caixa dois para abastecer a campanha do tucano em 2010.

Ele negou que o cunhado tenha sido operador de sua campanha e disse que, entre as três empresas, há uma criada por ele para dar aulas quando estava sem cargo, outra aberta por um de seus filhos para vender seguros mas que não teve sucesso, e uma terceira criada pela filha para administrar um blog na internet

De acordo com a reportagem, o ex-superintendente da construtora em São Paulo, Carlos Paschoal, um dos delatores da Odebrecht, afirmou que foi levado pelo conselheiro da empresa Aluízio de Araujo, morto em 2014, a um encontro com Geraldo Alckmin. O governador disse que não se lembra do encontro e que era amigo de Araujo, negando qualquer negociação eleitoral entre os dois.

Compartilhe
Previous Maia comunica à Câmara que permitirá tramitação de PECs, mas sem votação
Next Raquel quer incluir emails de Marcelo Odebrecht em inquérito contra Mantega

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política 0 comentários

Vamos buscar o máximo de adesões para o Criança Feliz, diz Marcela Temer

Em reunião realizada no Palácio do Alvorada nesta quinta-feira, 9, com primeiras-damas dos Estados, a primeira-dama e embaixadora do Criança Feliz, Marcela Temer, pediu apoio para que o programa tenha

Notícias

Senador apresenta projeto para beneficiar suspeito de roubar dinheiro público

Qualquer servidor público, incluindo os eleitos, suspeito de lesar os cofres públicos, ou seja, enriquecer de forma ilícita às custas do dinheiro público poderá ser beneficiado por um Projeto de

Política

Obras em refinaria renderam R$ 90 milhões em propina a PP, PT e PSB

As obras realizadas na Refinaria Abreu e Lima (PE) renderam R$ 90 milhões em propinas a ex-executivos da Petrobras ligados ao PP, PT e PSB. As informações constam da delação