Guido Mantega vira réu na Operação Zelotes

Guido Mantega vira réu na Operação Zelotes

O ex-ministro da Fazenda do governo Dilma Rousseff, Guido Mantega, e outras 12 pessoas foram colocados no banco dos réus por suposto favorecimento do Grupo Cimento Penha em julgamento no Carf, o Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, conhecido como Tribunal da Receita.

O ex-chefe da pasta é acusado por quatro crimes contra a ordem tributária. Mantega responderá por patrocinar, “direta ou indiretamente, interesse privado perante a administração fazendária, valendo-se da qualidade de funcionário público”, segundo a legislação. Ele é acusado de interceder no Carf em benefício do Grupo Cimentos Penha, do empresário Victor Sandri, também réu por crimes contra a ordem tributária e corrupção ativa.

Segundo a procuradoria, a Receita havia autuado a empresa Cimentos Penha, do empresário Victor Sandri, por remeter US$ 46,5 milhões a instituições financeiras sediadas nos paraísos fiscais das Bahamas e do Uruguai, por meio da utilização de contas bancárias vinculadas a brasileiros que nunca residiram nesses países, chamadas de contas CC5.
Por não conseguir comprovar a origem dos valores, o Fisco constituiu crédito tributário no valor de R$ 57,7 milhões.

Mesmo assim, a empresa recorreu ao Carf em 2007. Na primeira instância, conhecida como Câmara Baixa, foi negado provimento ao recurso em 2008. Houve entendimento de cinco conselheiros de que havia legalidade na autuação fiscal.

Após a decisão, segundo a denúncia, houve uma articulação para assegurar êxito da empresa Cimento Penha nas instâncias superiores, comandada pelo conselheiro José Ricardo da Silva.

De acordo com o Ministério Público Federal, o recurso apresentado à Câmara Superior, em 2010, já com escritório de advocacia representante dos interesses do grupo criminoso, foi utilizado como justificativa para um acórdão que tratava de circunstância diversa.

A procuradoria dá conta de que o recurso era manifestamente inepto, mas foi admitido pelo então presidente da 1ª Câmara da 1ª Seção do Carf, Francisco de Sales Ribeiro de Queiroz.

Os procuradores afirmam que o êxito da organização criminosa dependia da indicação de nomes para posições estratégicas no Carf.

Segundo a denúncia, o então presidente do Carf, Otacílio Cartaxo, e Guido Mantega patrocinaram, direta e indiretamente, interesse privado perante a administração fazendária, ao respaldarem os nomes indicados pela organização criminosa.

Outro lado
A reportagem entrou em contato com a defesa, mas ainda não obteve resposta.

Compartilhe
Previous UE tomará ações retaliatórias se tarifas dos EUA não forem evitadas
Next Prefeito de Cachoeira abandona sessão solene após se irritar com críticas de professor; ASSISTA

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Meirelles defende flexibilização em vez de suspensão da regra de ouro

Dispositivo que garante que a dívida pública não pode financiar despesas correntes do governo federal, a regra de ouro é fundamental para a governabilidade do país e não pode ser

Cotidiano

Programa Mais Alfabetização encerra inscrições hoje

O Programa Mais Alfabetização, do Ministério da Educação (MEC), recebe até hoje (2) adesões de estados e municípios interessados em fortalecer e apoiar as escolas no processo de alfabetização dos

Economia

Consumidor deve analisar perfil antes de optar por tarifa branca de energia

A partir de 1º de janeiro de 2018, os consumidores poderão solicitar a adesão à tarifa branca de energia elétrica, que é a adoção de preço diferente de acordo com