Juíza nega gratuidade de Justiça a Eduardo Cunha

Juíza nega gratuidade de Justiça a Eduardo Cunha

A juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), negou o pedido do ex-deputado Eduardo Cunha de gratuidade de Justiça. Determinou ainda que sejam penhorados os seus bens “supérfluos, suntuosos e em duplicidade” encontrados na residência.

A medida, definida pela magistrada como “penhora portas a dentro”, serve para cobrir os R$ 8.425,80 correspondentes à dívida que Cunha tem com o Tribunal de Justiça do Rio.

Após perder a ação contra a Infoglobo, empresa do Grupo Globo, por publicação de um texto do jornalista Arnaldo Jabor que o chamava de “coisa ruim”, o ex-deputado alegou que não teria como pagar as custas judiciais do processo por estar preso e com seus bens bloqueados pela Justiça Federal. Com isso, a juíza da 52ª Vara Cível expediu o mandado de penhora para garantir o pagamento.

Compartilhe
Previous Quatro deputados estão ameaçados de perder mandatos por corrupção; tem baiano na lista
Next Coronel prestigia ato do governo em apoio a comunidades indígenas e quilombolas

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Ministro do STF autoriza quebra de sigilo bancário do presidente Michel Temer

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, determinou a quebra do sigilo bancário do presidente Michel Temer (MDB) no inquérito que investiga a elaboração da Medida Provisória

Notícias

Marcelo Odebrecht diz que, quanto mais fala, mais complica Lula

O empresário Marcelo Odebrecht afirmou nesta quarta-feira (11/4), em depoimento à Justiça Federal, que, conforme ele analisa e envia para os investigadores da Lava Jato seus e-mails recuperados, “mais complica”

Política

Ministros do STF admitem possível soltura e candidatura de Lula

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) admitem a possibilidade de soltura e de um eventual registro da candidatura do ex- presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado no âmbito da