Zeca Pagodinho se irrita com insistência de João Doria para tirar foto

Zeca Pagodinho se irrita com insistência de João Doria para tirar foto

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), causou uma saia justa para o cantor e compositor Zeca Pagodinho na noite deste  sábado (10) ao insistir para ter uma foto ao lado do sambista. Nas fotos,  é visível o mal estar de de Zeca ao ser cumprimentado pelo prefeito e, ainda, se deixar fotografar  juntamente com Doria.

De acordo com o G1, Zeca ficou irritado com a presença de Doria, no Camarote da Brahma. Foi necessário a intervenção do dono do camarote, empresário Álvaro Aoas, que fez um pedido ao cantor.

Após muita negociação das duas assessorias, Zeca concordou com a foto, mas com uma condição, queria a presença do ex-jogador Amaral, caso contrário, não posaria.

Também de acordo com o G1, extremamente irritado, Zeca gesticulava com as mãos e fazia sinal de negativo com a cabeça antes da aproximação de Doria. Quando o prefeito lhe deu a mão, Zeca não fez cara de muitos amigos  e ficou com a cabeça baixa. Eles trocaram poucas palavras e o encontro durou menos de um minuto.

Questionado pela reportagem do G1 sobre o mal estar, Doria negou e disse que estava tudo normal.

Compartilhe
Previous Masturbação mata 100 pessoas todo ano na Alemanha, aponta estudo
Next Olodum sai neste domingo no carnaval de Salvador; confira programação completa

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Impressionante! Vídeo: criança é atropelada, arremessada e sai andando normalmente

As câmeras de segurança de um posto de combustível da cidade de Diamante, na Paraíba, registraram o exato momento em que uma criança de apenas 11 anos foi atropelada e

Política

PSC e Pode fecham aliança para a eleição presidencial

O economista Paulo Rabello de Castro (PSC) desistiu de disputar a Presidência da República e vai integrar a chapa encabeçada pelo senador Álvaro Dias (Pode-PR). A candidatura de Rabello foi

Política

Tesoureiro indicou JBS para pagar apoio à chapa Dilma-Temer

Ricardo Saud, caixa-forte da JBS, contou aos investigadores da Lava-Jato que o grupo deu 10,5 milhões de reais para que o PROS apoiasse a reeleição de Dilma Rousseff e Michel