MPF pede 7 anos de prisão a Geddel em processo por obstrução

MPF pede 7 anos de prisão a Geddel em processo por obstrução

A Procuradoria da República no Distrito Federal pediu à Justiça Federal, nesta sexta-feira, que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) seja condenado a sete anos de prisão por supostamente ter tentado obstruir as investigações das operações Sépsis e Cui Bono?. O pedido foi feito em alegações finais dos procuradores no processo em que Geddel é réu por tentar impedir que o lobista e doleiro Lúcio Bolonha Funaro fechasse um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o emedebista baiano passou a monitorar o ânimo de Funaro em colaborar com os investigadores a partir da prisão do lobista, em julho de 2016, quando foi deflagrada a Sépsis. A acusação sustenta que Geddel Vieira Lima passou, desde então, a fazer ligações telefônicas a Raquel Pitta, mulher de Lúcio Funaro. Em um intervalo de 19 dias, conforme os procuradores, Geddel ligou 17 vezes a Raquel.

“O monitoramento não só permitia que Geddel Quadros Vieira Lima captasse o estado de ânimo de Lúcio Funaro, como tinha por objetivo gerar ao agora colaborador Funaro o receio e apreensão da atuação de Geddel que, até então, estava em liberdade e era (cite-se até novembro de 2016) Ministro da Secretaria de Governo Federal, além de integrante do núcleo político de organização criminosa”, afirmam os procuradores do MPF.

A intenção do ex-ministro em acompanhar as intenções de Lúcio Funaro em fechar delação premiada estavam ligadas, segundo o MPF, às investigações sobre um esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal. Geddel Vieira Lima faz parte do chamado “MDB da Câmara”, grupo que inclui, entre outros, o presidente Michel Temer, os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco e os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Alves, estes dois últimos presos, e que teria recebido propina de empresas que recebiam investimentos do banco estatal. O dinheiro sujo era intermediado por Funaro, como ele mesmo admitiu no acordo de colaboração que assinou com a PGR.

“Desta feita, une-se, numa mesma organização, o poder político e o econômico, com capacidade para levar a risco concreto de prejuízo a qualquer integrante que pudesse atrapalhar os seus planos. O risco não necessariamente vinculava-se a um mal físico. Poderia, por exemplo, ser o de prejudicar a situação processual de Lúcio Funaro, ou de, por qualquer outra forma, prejudicar a si ou sua família. Essa era a preocupação de Lúcio Funaro”, afirma o MPF.

“O acusado, como Ministro de Estado, praticou crime em nome da cúpula política que atuava no próprio Governo Federal, traindo a confiança do povo brasileiro e ofendendo, por consequência, os titulares do poder soberano que devem ser respeitados no sistema democrático do país”, concluem os procuradores.

Geddel Vieira Lima está preso no Presídio da Papuda, em Brasília, desde setembro de 2017. Ele foi detido um dia depois de a Polícia Federal descobrir, em Salvador, em um apartamento emprestado por um empresário a Geddel e seu irmão, o deputado federal Lúcio Vieira Lima, 51 milhões de reais em dinheiro vivo.

A PGR apresentou denúncia contra os irmãos Vieira Lima e outras quatro pessoas, incluindo a mãe deles, Marluce Vieira Lima, pela fortuna localizada na capital baiana. O processo tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), já que Lúcio tem foro privilegiado. O STF ainda não decidiu se aceita a denúncia e abre uma ação penal contra os acusados.

Compartilhe
Previous Fifa divulga bases das seleções na Copa da Rússia; Brasil ficará em Sochi
Next Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 70 milhões neste sábado

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Delator da Galvão Engenharia diz que pagou R$ 1 mi a Gilberto Kassab

O executivo Dario de Queiroz Galvão Filho disse em delação premiada que o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD, ex-DEM), direcionou a licitação da obra do túnel Sena

Política

Maioria dos jovens entre 16 e 18 anos não tirou título de eleitor

Quase metade dos brasileiros que poderiam votar pela primeira vez em outubro não se interessou sequer em tirar o título de eleitor. Atualmente, o país tem 3,8 milhões menores de

Política

João Doria comemora popularidade no Nordeste

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), usou as redes sociais para comemorar informação de que seu nome provoca interesse até mesmo fora de São Paulo. Além de comentar