E tem querer? Deputado Federal preso pela PF quer exercer mandato de dia e cumprir pena à noite

E tem querer? Deputado Federal preso pela PF quer exercer mandato de dia e cumprir pena à noite

O deputado João Rodrigues (PSD-SC), preso na manhã desta quinta-feira (8/2) por fraude e dispensa de licitação quando exerceu interinamente o cargo de prefeito de Pinhalzinho (SC), entrou com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) para assegurar o cumprimento de seu mandato parlamentar até dezembro deste ano. Ele pretende trabalhar na Câmara durante o dia e cumprir pena à noite. A informação é do Congresso em Foco.

A situação dele não é novidade na casa. Preso em regime semiaberto, o deputado Celso Jacob (MDB-RJ) dava expediente na Câmara em dias úteis e retornava ao Complexo Penitenciário da Papuda à noite. Mas o benefício foi cortado após ser flagrado com queijo provolone e biscoito na cueca ao retornar para a cadeia em 24 de novembro do ano passado.

A defesa de João Rodrigues busca o mesmo tratamento que tinha Jacob antes do flagrante. Mas o futuro é incerto em seu último ano de mandato na Câmara. A Mesa Diretora não sabe como procederá. Uma das possibilidades é que ele tenha de ingressar com pedido na Justiça para só então ser autorizado a continuar frequentando a Casa e exercendo o cargo.

Na tarde desta quinta-feira (8), pelo menos três ofícios foram encaminhados a instituições competentes, com cópias da certidão de julgamento – um para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), outro para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux, e um terceiro para a Polícia Federal.

O crime
Rodrigues foi condenado quando era prefeito de Chapecó (SC), mas os crimes de fraude e dispensa de solicitação teriam ocorrido quando assumiu interinamente a prefeitura de Pinhalzinho, por 30 dias, em 1999. Depois que se tornou deputado, o caso foi encaminhado ao STF, pela prerrogativa de foro privilegiado.

A defesa do deputado acredita que vai conseguir reverter a prisão, alegando que o crime já prescreveu. “Vamos resolver insistindo na tese de que a prescrição ocorreu em 18 de dezembro”, disse o advogado Marlon Bertol, antes da prisão.

Por ele ser parlamentar (detém foro privilegiado), o STJ remeteu o recurso para o Supremo, onde correm as ações envolvendo congressistas e outras autoridades federais. Em outubro de 2016, o ministro Luiz Fux, do STF, negou o habeas corpus apresentado pelos advogados do deputado. Em março do ano passado, o Supremo havia acolhido pedido da defesa para julgar a apelação e, na última terça-feira (6), rejeitou seu recurso e determinou o cumprimento imediato da pena.

Compartilhe
Previous Vendas no varejo crescem 2% em 2017, aponta o IBGE
Next Carnaval de Salvador: Anitta e Luiz Caldas cantam para a 'pipoca' nesta sexta-feira

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Temer nomeia Carlos Bastide Horbach juiz substituto do TSE

O presidente Michel Temer nomeou Carlos Bastide Horbach para compor o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no cargo de juiz substituto, em vaga decorrente do término do segundo mandato de Tarcísio

Notícias

Jutahy mantém candidatura ao Senado e defende nome de Gualberto ao governo

O deputado federal Jutahy Magalhães Jr. (PSDB) disse há pouco a este Política Livre que manterá sua pré-candidatura ao Senado mesmo com a desistência do prefeito ACM Neto (DEM) de concorrer ao

Notícias

Deputadas baianas aprovam moção de repúdio ao juiz da ‘cura gay’

Uma moção de repúdio ao juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, devido à liminar que autoriza a terapia de reversão sexual, chamada de “cura gay”, foi aprovada por unanimidade na