Ministro do Planejamento exagera sobre balança comercial do Brasil

Ministro do Planejamento exagera sobre balança comercial do Brasil

Na semana passada, o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, concedeu entrevista ao programa É Notícia, da Rede TV!, e falou sobre suas expectativas para 2018. Também tratou da reforma da Previdência e citou dados da economia brasileira. A Lupa selecionou algumas das frases ditas pelo ministro durante a entrevista, para checar a vericidade das informações apresentadas. Veja o resultado:

“Nós tivemos, neste ano [de 2017], mais de US$ 70 bilhões de saldo da balança comercial.”
Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, ao programa É Notícia, no dia 29 de janeiro

Os dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) mostram que o saldo da balança comercial brasileira foi de US$ 67 bilhões em 2017, ou seja, US$ 3 bilhões a menos do que o informado pelo ministro. No ano passado, o Brasil exportou aproximadamente US$ 217 bilhões em produtos. Minério de ferro, petróleo e açúcar foram os itens que mais aumentaram em exportação. No total, o Brasil importou cerca de US$ 150 bilhões.

Desde 2011, as exportações brasileiras não cresciam. Já as importações não aumentavam desde 2015.

Procurado, o ministro não retornou.

Agência Brasil

“A despesa com Previdência cresce R$ 30 bilhões a R$ 40 bilhões ao ano.”
Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, no encontro E agora, Brasil?, no dia 30 de janeiro

É fato que o gasto federal com a Previdência cresce a cada ano. De 2015 para 2016, houve um aumento de R$ 41,6 bilhões. De 2016 para 2017, R$ 44,5 bilhões. Mas, entre 2009 e 2015, em média, os gastos com a Previdência aumentavam R$ 21,8 bilhões ao ano. Os dados constam nos Relatórios Resumidos de Execução Orçamentária.

Procurado, o ministro não retornou.

Elza Fiúza/ Agência Brasil Pin this!

Elza Fiúza/ Agência Brasil

“A gente já tem estados aqui que estão gastando mais com aposentado do que com o pessoal ativo.”
Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, no programa É Notícia, no dia 29 de janeiro

Divulgado em dezembro de 2017, o Boletim de Finanças dos Entes Subnacionais reúne dados de 2016 sobre a despesa de cada estado com pessoal ativo e inativo. O documento mostra que o Rio Grande do Sul é o único estado que gastou mais com inativos do que com ativos. Em apenas duas outras unidades da Federação, Rio de Janeiro e Minas Gerais, o gasto com inativos ultrapassa 50% do gasto com ativos.

Procurado, o ministro não retornou.

VALDECIR GALOR/SMCSPin this!

VALDECIR GALOR/SMCS

“Fechamos [2017] em 12,2% [a taxa de desemprego].”
Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, no programa É Notícia, no dia 29 de janeiro No quarto trimestre de 2017, a taxa de desemprego fechou em 11,8%, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNADC/M), divulgada no dia 31 de janeiro. O número de desempregados é estável em relação ao final do ano passado: 12,3 milhões. Ao longo do ano, o número de pessoas sem ocupação chegou a atingir 14,2 milhões.

 

Compartilhe
Previous Copom decide hoje se reduz taxa básica de juros ao menor nível da história
Next 'O voto não pertence aos partidos e aos políticos', diz Marina Silva

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Aprovado projeto que acelera progressão de pena para mães e gestantes

O Senado aprovou, nesta terça-feira (8), projeto que permite progressão mais rápida da pena para gestantes presas e mães de crianças com deficiência. Aprovado de maneira simbólica pelos senadores, o

Notícias

Alvo de operação da Polícia Federal, MPE e MPF, Nilo se defende “Não sou proprietário da Babesp”; assista

“A Babesp não é do deputado Marcelo Nilo. Não sou proprietário, sou cliente, como muitos deputados aqui foram clientes”, declarou Nilo na tribuna da Assembleia Legislativa da Bahia, nesta quarta-feira(13),

Notícias

Mulher se torna avó após usar sêmen do filho morto

As pessoas têm maneiras diferentes de lidar com a morte. A indiana Rajashree Patil encontrou uma forma polêmica para ser avó e homenagear a memória do filho, morto de um