Cientistas revelam que baleia orca consegue imitar a fala humana

Cientistas revelam que baleia orca consegue imitar a fala humana

Um grupo de cientistas revelou que uma baleia orca é capaz de imitar a fala humana. De acordo com um novo estudo, uma baleia fêmea chamada Wikie aprendeu a repetir palavras como hello e bye-bye (“olá” e “até logo”, em inglês), ditas por sua treinadora em um parque marinho na França.

O estudo, realizado por cientistas da Universidade St Andrews (Reino Unido), da Pontifícia Universidade Católica do Chile e da Universidade Complutense de Madrid (Espanha), foi publicado nesta quarta-feira (31/1), na revista científica Proceedings of the Royal Society B.

Os pesquisadores tinham o objetivo de descobrir se as orcas são capazes de aprender novas vocalizações imitando umas às outras. Segundo eles, estudos anteriores já mostravam a existência de “dialetos” diferentes entre grupos distintos de baleias, sugerindo que as vocalizações feitas por esses animais não são adquiridas geneticamente e poderiam ser aprendidas.

“A orca que nós estudamos em cativeiro foi capaz não apenas de aprender as vocalizações de outras orcas, mas também vocalizações humanas, por imitação”, afirmou um dos autores do estudo, Josep Call, da Faculdade de Psicologia e Neurociências da Universidade de St Andrews.

Amy, one, two, three
No parque Marineland Aquarium, em Antibes, na Riviera Francesa, os cientistas estudaram a capacidade de uma fêmea chamada Wikie aprender novos sons. Parcialmente imersa, apenas com o espiráculo – o buraco para respiração – fora da água, a orca foi capaz de repetir várias palavras, incluindo Amy, nome de sua treinadora, e onetwo, three (“um, dois, três”, em inglês).

A imitação não é perfeita, e a vocalização é feita em um tom extremamente agudo, mas as palavras são claramente reconhecíveis. De acordo com os cientistas, por várias vezes, Wikie foi capaz de produzir imitações razoáveis já na primeira tentativa, fornecendo evidências conclusivas de que as orcas têm mesmo a capacidade de aprender novos sons.

De acordo com Call, os estudos feitos anteriormente mostravam que as baleias orcas que vivem na natureza têm um conjunto específico de vocalizações e, quando são levadas para outro ambiente, as mudam para se adaptar às novas companheiras. Mas, até agora, não havia nenhuma evidência de que os diferentes “dialetos” eram resultado de aprendizado.

Nossos resultados sugerem que essa também é uma explicação plausível para a maneira como as orcas que vivem na natureza aprendem as vocalizações de outras baleias e de que elas são capazes de desenvolver e transmitir dialetos

Josep Call, um dos autores do estudo sobre a vocalização das orcas

Segundo Call, a imitação vocal é uma marca da linguagem falada humana, que, somada a outras capacidades cognitivas avançadas, tem impulsionado a evolução da cultura da humanidade. Evidências comparativas sugerem que, embora a capacidade de copiar sons de indivíduos da mesma espécie seja praticamente exclusiva do ser humano, alguns poucos grupos de aves e mamíferos desenvolveram essa aptidão de forma independente.

Compartilhe
Previous Segurança no Brasil está falida, diz ministro da Defesa
Next Escassez de alimentos provoca 5 vezes mais saques na Venezuela

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Economia

Contas públicas têm saldo negativo recorde para março

O setor público consolidado, formado pela União, estados e municípios, registrou saldo negativo nas contas públicas em março, segundo dados do Banco Central (BC), divulgados hoje (30), em Brasília. O

Política

Senado vai discutir proposta de descriminalização da maconha no Brasil

Fruto de sugestão popular, a proposta de descriminalização da maconha no Brasil vai tramitar no Senado Federal, porém, o cultivo só será permitido para fins medicinais. A apresentação de um

Notícias

ACM Neto discute financiamento com ministro Henrique Meirelles

Em audiência no final da manhã desta quinta-feira (14) com o ministro Henrique Meirelles (Fazenda), o prefeito ACM Neto conversou sobre as propostas de financiamento da Caixa Econômica Federal, Banco