Nova condenação de Lula dificulta aliança com PP e PR; “A candidatura de Lula perde consistência” avalia deputado baiano

Nova condenação de Lula dificulta aliança com PP e PR; “A candidatura de Lula perde consistência” avalia deputado baiano

A nova derrota jurídica sofrida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticamente sepultou a possibilidade de partidos do chamado “Centrão” apoiarem uma eventual candidatura do petista ao Palácio do Planalto. Integrantes do PR e do PP, que flertavam com Lula, afirmam que, após os três desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) confirmarem a condenação do ex-presidente, uma aliança com o PT para a eleição nacional fica praticamente inviabilizada.

“A candidatura de Lula perde consistência. Uma coisa é você ser candidato com toda a segurança possível, outra é se lançar em meio a tanta insegurança”, avalia o líder do PR na Câmara, deputado José Rocha.

Segundo o deputado, o PR vai agora analisar os quadros que irão se colocar na disputa para decidir quem apoiar na corrida presidencial. Uma das possibilidades é apoiar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Esta semana, integrantes da cúpula do DEM se reuniram com o ex-deputado Valdemar Costa Neto (SP), que, na prática, comanda o partido.

No PP, a confirmação da condenação do ex-presidente deve suplantar de vez os setores do partido, especialmente do Nordeste, que apoiavam uma reaproximação com o PT. Para o líder do partido na Câmara, deputado Arthur Lira (AL), o resultado do julgamento da última quarta-feira, 24, modificou o quadro eleitoral, mas ainda é preciso esperar para ver para onde vão migrar os votos que iriam para o petista.

Apesar do discurso de afastamento de Lula adotado pela cúpula dos dois partidos, alguns parlamentares afirmam que é cedo para fazer uma avaliação do cenário. Para o deputado Dudu da Fonte (PP-PE), o desempenho do ex-presidente nas pesquisas pode garantir a ele alianças e competitividade nas eleições. “Acredito que ele ficará na frente nas pesquisas, o que fará com que os aliados não o abandonem”, disse.

PR e PP fazem parte hoje da base aliada do governo do presidente Michel Temer. A avaliação desses e de outros partidos desse grupo é que uma eventual saída de Lula da disputa beneficiará um candidato de centro, que pode ser representado tanto por Maia quanto pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). O nome do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é visto com mais resistência dentro da própria base.

Compartilhe
Previous Imagens aéreas demonstram devastação ambiental da CCR Metrô no aeroporto
Next Apesar da Lei da Ficha Limpa, Lula poderá registrar candidatura à Presidência

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Previdência consumirá 70% da arrecadação em dez anos sem reforma, diz Meirelles

Os gastos com a Previdência Social consumirão 70% da arrecadação federal em até dez anos, caso não seja feita nenhuma mudança nas regras em vigor, disse hoje (14) o ministro

Notícias

Temer pede estudos para avaliar redução do gás de cozinha para baixa renda

O presidente Michel Temer determinou à área técnica do governo a realização de um estudo sobre a viabilidade de redução do preço do gás de cozinha para a população de

Política

TRE mantém Eduardo Paes inelegível por 8 anos

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro rejeitou, na sessão plenária desta quarta-feira, 21, os embargos de declaração ajuizados pelo ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (MDB) e pelo deputado