Aécio Neves é vaiado em convenção do PSDB e sai 40 minutos após chegar

Aécio Neves é vaiado em convenção do PSDB e sai 40 minutos após chegar

Licenciado da presidência do PSDB, desde que passou a ser investigado pela Operação Lava Jato, e ter sido afastado do cargo de senador por suspeita de ter recebido propina da JBS, Aécio Neves foi vaiado, neste sábado (9/12), durante a convenção do partido em Brasília. O tucano mineiro chegou sob aplausos de apoiadores que gritavam seu nome, mas ao passar pela porta ele foi recebido por gritos de “fora” e críticas.

O clima hostil fez com que Aécio Neves ficasse no local apenas 40 minutos e saísse por uma porta lateral privativa. O locutor que fazia a chamada dos tucanos tentou minimizar a situação e não convocou o presidente licenciado para compor o dispositivo principal.

Ainda na entrada, o ex-presidente do PSDB nacional falou sobre unidade, mas esbarrou no descontentamento dos militantes do tucanato, que pedem a saída dele do partido.

A assessoria de Aécio Neves negou que ele tenha sido vaiado durante sua entrada no Centro de Convenções Brasil 21. Segundo ela, as vaias teriam sido direcionadas ao governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), que foi ao evento em visita de cortesia e também ouviu a insatisfação dos presentes.

JBS
O senador Aécio Neves se licenciou da presidência da sigla em maio, depois que foi gravado pedindo R$ 2 milhões para Joesley Batista, um dos sócios da empresa JBS. Desde então, o tucano vem perdendo força e apoio.

As denúncias levaram o Supremo Tribunal Federal (STF) a afastar o senador de seu mandato, mas a decisão acabou sendo revertida pelo Senado. A Justiça decidiu, nesta semana, quebrar os sigilos bancário e telefônico de Aécio Neves.

Eleito
Neste sábado, o governador de São Paulo e pré-candidato tucano à presidência da República Geraldo Alckmin foi eleito para presidir o partido. Será ele o responsável por articular alianças para a disputa ao Palácio do Planalto no ano que vem.

Compartilhe
Previous Trump é acusado de tentar beijar ex-apresentadora da Fox News
Next Magno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Dilma diz a Moro que empresas não podem ser punidas por erros de seus dirigentes

A ex-presidente Dilma Rousseff disse hoje (27) que empresas não podem ser punidas pelos erros de seus dirigentes, durante depoimento em videoconferência ao juiz federal Sérgio Moro, da Justiça Federal

Política

Cármen e Fachin votam juntos em 87,5% dos casos

O retorno da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, à Segunda Turma da Corte, a partir de setembro, deve aumentar as chances de o relator da Lava

Notícias

Agenda de reformas continua mesmo sem Temer, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira, 29, que espera que o presidente Michel Temer permaneça no cargo até as eleições presidenciais de 2018, mas assegurou que a