PALOCCI: ‘ex-ditador Kaddafi abasteceu campanha de Lula’

PALOCCI: ‘ex-ditador Kaddafi abasteceu campanha de Lula’

Capturado e morto em 20 de outubro de 2011, o ex-ditador líbio Muamar Kaddafi enviou ao Brasil, “secretamente”, US$ 1 milhão para financiar a campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002. É o que o ex-ministro do petista, Antonio Palocci, teria afirmado nas tratativas de um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, segundo reportagem da revista Veja, nesta sexta-feira, 8. Palocci está preso em Curitiba desde setembro de 2016, quando foi alvo da 35ª fase da Lava Jato, a Operação Omertà. Ex-ministro dos governos Lula e Dilma, o petista foi condenado na Lava Jato por corrupção passiva e lavagem de dinheiro a 12 anos, 2 meses e 20 dias de prisão pelo juiz Sérgio Moro em junho deste ano.

Palocci investe contra Lula desde o início das tratativas das negociações do acordo. Em setembro, ele fez divulgar uma carta, escrita de próprio punho da cadeia e entregue aos advogados para ser digitada e impressa, de três páginas e meia. Explosivas, as palavras do ex-ministro foram endereçadas à presidente nacional do partido, a senadora Gleisi Hoffmann.

Cirurgicamente montada e retocada, a carta coloca o PT e Lula contra a parede, ao afirmar que seus dois governos e de sua sucessora foram corrompidos pelo “tudo pode”, pelos “petrodolares”. Antes, no dia 6 de setembro, Palocci confessara negociar propinas com a Odebrecht e incriminara Lula ao revelar um suposto “pacto de sangue” entre o ex-presidente e o empresário Emílio Odebrecht, em 2010, em que foi acertado R$ 300 milhões em corrupção ao PT.

Já Kaddafi sempre manteve relação cordial com o ex-presidente, sendo referido pelo petista como “amigo” ou “irmão”. Durante seu mandato, Lula se reuniu pessoalmente quatro vezes com o ditador, que governou o país com mãos de ferro durante 41 anos. Em 2009 foram duas vezes. Uma delas foi na Cúpula América do Sul- África, realizada na Isla Margarita, Venezuela, no dia 26 de setembro.

Na época, houve muitas críticas à aproximação de Lula com Kaddafi. Aconselhado por seus assessores mais próximos (o ex-ministro Celso Amorim e o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia), Lula dizia que o Brasil não tinha preconceitos e que se tratava de uma diplomacia pragmática.
DEFESA. O PT não se pronunciou a respeito da suposta delação de Palocci. Segundo a assessoria de imprensa, o partido não comenta “notícias sem fonte”.

No dia 15 de setembro, a presidente nacional da legenda divulgou uma dura nota na qual acusa Palocci de inventar mentiras para agradar os procuradores da Lava Jato e conseguir os benefícios das delação premiada.

“A se confirmar, na forma de delação oficial, o que foi vazado seletivamente para a imprensa, o ex-ministro será mais um condenado que desistiu de se defender e passou a mentir sobre Lula e o PT para satisfazer os procuradores da Lava Jato. O método criminoso de coagir réus presos ao qual poucos têm resistido transformou a Vara de Curitiba numa indústria de delações, que premia a chantagem e a mentira, mas envenena o estado de direito e envergonha o sistema judicial brasileiro”, dizia a nota.

Compartilhe
Previous Sobre criticas de Lula, juiz Moro diz ‘não vou debater com condenados’
Next Segundo Temer, sem reforma da Previdência pode haver corte em salários

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Itabuna: Confusão entre travestis e clientes vai parar em delegacia

Quatro pessoas foram presas na manhã de domingo (25), em um motel da cidade de Itabuna. Eles foram detidos, após chamarem atenção por conta de uma confusão em um quarto

Política

Senado aprova fim do foro privilegiado para políticos

Para se antecipar à discussão que começou hoje no Supremo Tribunal Federal (STF), o Senado aprovou por unanimidade nesta quarta-feira (31/5) o segundo turno da proposta de emenda à Constituição

Política

Juiz manda apreender telefones e quebrar silgilo telefônico de Geddel

Ao decretar a prisão preventiva do ex-ministro Geddel Vieira Lima, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira autorizou a busca e apreensão de aparelhos de celulares do investigado e a