Futuro da investigação da Lava-Jato está em jogo, diz delegado da PF

Futuro da investigação da Lava-Jato está em jogo, diz delegado da PF

O delegado da Polícia Federal (PF) Márcio Anselmo, que iniciou as investigações da Operação Lava-Jato em Curitiba, em 2013, afirmou que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5508 coloca em jogo a delação e o “futuro da própria investigação criminal”.

Considerado o principal delegado da  Lava-Jato, Anselmo pediu para sair da força-tarefa em Curitiba, em 2016, depois de a Procuradoria exigir que a PF ficasse de fora da delação da Odebrecht – atualmente ele é corregedor no Espírito Santo.

“A colaboração premiada consiste em técnica especial de investigação, principal meio de obtenção de prova contra o crime organizado e importante mecanismo de combate à corrupção”, afirmou Anselmo.

O delegado Edivandir Paiva, presidente eleito da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), afirmou que “será um prejuízo absurdo” se a Corte proibir a PF de negociar acordos de delação premiada.

Já o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da Lava-Jato em Curitiba, disse que há um risco de que a PF vire uma “segunda porta” onde os “afogados” vão buscar um acordo, depois de terem tentativas frustradas no MPF.

“Tenho muitas dúvidas, porque vai causar uma insegurança jurídica tão grande que acho que vai afastar os colaboradores. Só vai procurar os acordos quem estiver extremamente desesperado”, disse o procurador.

Carlos Fernando citou o caso do lobista Marcos Valério, que fechou acordo com a PF. “O que Marcos Valério traz é insuficiente para fazer acordo. O que vai acontecer é que as pessoas vão começar a ganhar acordos e perceber que podem começar a contar histórias mal arrumadas.”

Compartilhe
Previous STF libera irmã de Aécio da prisão domiciliar e da tornozeleira
Next IBGE: 10,5 milhões de pessoas trabalham na produção de bens para próprio consumo

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Partidos têm débitos milionários com o INSS; PT lidera ranking

Um dos argumentos mais usados por parlamentares contrários à reforma da Previdência é que o governo ignora os R$ 426 bilhões que as empresas devem ao Instituto Nacional do Seguro

Política

Aliados de Temer questionam Fachin sobre delação da JBS e Lava Jato

Em conversa com integrantes do Judiciário, interlocutores do governo passaram a questionar a competência do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para conduzir as investigações relativas às delações

Cotidiano

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 90 milhões na próxima quarta

A Mega-Sena acumulou e pode pagar R$ 90 milhões no próximo sorteio, que será realizado na quarta-feira (26/7). Ninguém acertou os seis números, mas 209 pessoas ganharam na Quina, com