Salvador: Câmara aprova correção ao nome da Avenida Paralela

Salvador: Câmara aprova correção ao nome da Avenida Paralela

A Câmara Municipal aprovou, em sessão ordinária na tarde desta terça-feira (5), 98 proposições consideradas não polêmicas de autoria dos vereadores de Salvador. Entre as matérias referendadas no Plenário Cosme de Farias, o Projeto de Lei nº 527/17, de autoria do vereador J. Carlos Filho (SD), que altera de “Luís Viana” para “Luís Viana Filho” o nome da Avenida Paralela.

O autor da proposta, que revoga o Artigo 1º da Lei 2.247, de 5 de junho de 1970, explicou a intenção da proposição. “À época, a ideia era homenagear o então governador da Bahia, Luís Viana Filho. Equivocadamente, seu pai foi o homenageado. É uma justiça social que essa Casa faz para uma pessoa que muito contribuiu para a história social, política e economia”, afirmou J. Carlos Filho.

Para o presidente do Poder Legislativo, vereador Leo Prates (DEM), “a Câmara corrige um erro histórico” ao aprovar o projeto de lei do vereador J. Carlos Filho.
Entre as 98 propostas aprovadas em plenário, foram oito projetos de lei, 49 indicações, nove resoluções, 27 moções e cinco requerimentos.

Compartilhe
Previous Presidente do STF dá 48 horas para que tribunais informem remuneração de juízes
Next Comissão da Mulher realiza audiência pública em Vera Cruz

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias 0 comentários

Aeronáutica desmente boato sobre acidente que matou Teori

A Aeronáutica, por meio de sua assessoria de imprensa, desmentiu neste domingo, 22, um boato sobre o desastre com o avião em que viajava o ministro do Supremo Tribunal Federal

Notícias

Coreia do Norte afirma que fabricou bomba de hidrogênio mais avançada

A Coreia do Norte disse que conseguiu fabricar uma bomba de hidrogênio “mais avançada” e montá-la na ponta de um míssil de longo alcance, segundo reportou a mídia estatal norte-coreana

Cotidiano

Câmara aprova fim de progressão penal para quem matar policiais

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 8504/17, do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), que proíbe a progressão de regime para condenados por assassinato de policiais, devendo