Projeto aprovado pelo Senado propõe que PF investigue milícias

Projeto aprovado pelo Senado propõe que PF investigue milícias

A Polícia Federal (PF) pode passar a ser responsável por investigar crimes praticados por organizações paramilitares e milícias armadas, quando comprovado o envolvimento de agente de órgão de segurança pública estadual.

O projeto de lei (PLS) 548/2011 sobre este tema foi aprovado nesta quarta-feira (6/12) por unanimidade pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Como o texto foi analisado em caráter terminativo, se não houver recurso para análise no plenário da Casa, a proposta seguirá para a Câmara dos Deputados.

“Em um único batalhão da polícia militar fluminense, foi constatado o envolvimento de quase metade da corporação com as milícias. Como se exigir, então, que as investigações e ações policiais sejam executadas pelas autoridades locais, diante de tamanho envolvimento dos próprios soldados e servidores com as milícias?”, questionou o autor, o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella, ao justificar a proposta. Crivella foi senador pelo PRB-RJ.

O projeto preserva, entretanto, a competência da Justiça estadual para o processamento e julgamento dessas ações judiciais.

Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que relatou a proposta, a proximidade familiar ou profissional entre investigador e investigado compromete ou, no mínimo, traz dúvidas sobre a imparcialidade dos trabalhos.

Compartilhe
Previous Comissão da Mulher realiza audiência pública em Vera Cruz
Next CPMI da JBS pede à Procuradoria prisão de Marcello Miller

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Temer se encontra com Sarney no Palácio do Jaburu

O ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) está reunido neste sábado com o presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu, residência oficial. Sarney chegou ao local por volta das 16h30. A assessoria

Mundo

Filho de Fidel Castro, Fidel Castro Díaz-Balart se suicida

Fidel Castro Díaz-Balart, filho mais velho do ex-presidente cubano Fidel Castro, morreu nesta quinta, 1, aos 68 anos. De acordo com a imprensa do país, ele cometeu suicídio. Conhecido como

Política

Defesa da JBS fala que empresa sofre “retaliação” do governo

O escritório de advocacia Bottini & Tamasauskas, que atua na defesa da JBS e participou das negociações do acordo de leniência, considera que seu cliente está sendo vítima de “retaliação”